Deputado do PSD quer clarificação do Governo sobre Alqueva

Deputado do PSD quer clarificação do Governo sobre Alqueva

O deputado do PSD eleito por Beja pretende convidar a ministra da Agricultura a visitar de novo o Baixo Alentejo, de modo a governante aproveitar esse momento para “clarificar e explicar aos agricultores” qual o seu projecto para a zona de influência do plano de rega do Alqueva, “uma das mais extensas áreas de regadio da Europa comunitária”.
Na prática, Mário Simões espera que Assunção Cristas venha à região esclarecer os interessados sobre os prazos para a conclusão do projecto do Alqueva, depois de no início do seu mandato ter admitido a possibilidade da conclusão da obra, prevista para 2013, ser adiada para 2015 ou 2017.
“Os agricultores aceitam, que face à actual conjuntura, os prazos não sejam os que estavam previstos e que possam sofrer um adiamento para 2015 ou 2017. O que já não entendem é a indefinição e falta de clarificação quanto aos prazos que o Ministério da Agricultura prevê para a conclusão do empreendimento”, justifica Simões ao “CA”.
De acordo com o deputado laranja, e no âmbito das reuniões que tem mantido com agricultores da região ao longo das últimas semanas, a maior preocupação de quem apostou em culturas regadas tem que ver com “a falta de água”.
Uma preocupação, continua Simões, que já transmitiu por diversas vezes à governante, alertando-a para as “consequências nefastas que resultariam do adiamento, sem prazo, da construção dos últimos blocos de rega”, dado “o perigo da região poder vir a confrontar-se com mais um período de seca” tendo Alqueva “mesmo à porta”.
“Mais de 12 mil hectares de olival, nos quais foram investidas muitas dezenas de milhar de euros, continuam à espera de água e outros investimentos entretanto anunciados podem perder-se com a actual indefinição que paira sobre o futuro do regadio de Alqueva”, acrescenta Mário Simões, que reconhece igualmente o “embaraço” causado por Assunção Cristas quando a ministra admitiu “a possibilidade de apelar aos agricultores ribatejanos para investirem no Alentejo no aproveitamento e rentabilização do regadio de Alqueva, porque teriam mais experiência”.
Tudo isto faz Mário Simões juntar ao convite feito à ministra da Agricultura um “apelo veemente”: que Assunção Cristas “não permita a politização do ministério, nomeadamente pelo peso que a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) pretende assumir na definição das estratégias do seu ministério, em detrimento da agricultura alentejana”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima