Décimas da poesia popular de Odemira em filme

Odemira - filme décimas

Treze décimas, forma de poesia tradicional do concelho de Odemira, foram transformadas em outros tantos ‘vídeo-poemas’, num filme que junta 20 músicos e intérpretes e que vai ser exibido publicamente este sábado, 22, no cineteatro da vila.

O filme “O Pão que a terra lhe dá – Tradição Oral do Concelho de Odemira”, da associação CAIS – Coletivo Artístico de Intervenção Social, de Odemira, apresenta 13 “visões sobre a vida e o território” deste município, “abordadas de um novo ponto de vista”, diz o diretor artístico do projeto, Nuno Góis.

“É uma visão mais contemporânea daquilo que é uma tradição formal e da maneira como esta pode ser retratada em 2022”, sintetiza.

Para o responsável, o projeto, financiado pela Câmara de Odemira, é “uma abordagem artística e criativa” às tradicionais décimas da poesia popular, revelando um “outro olhar e visão sobre a poesia tradicional, valorizando-a no seu conteúdo escrito, mas com uma nova perspetiva artística e formal”.

O filme tem por base uma recolha de décimas do concelho de Odemira realizada, em 2006, por Ana Tendeiro e editada em livro.

Com direção artística de Nuno Góis, direção de fotografia de Fábio Mestrinho e direção musical de Rui Santos, o filme conta com interpretações de Ana Sofia Paiva, Banza, Helena Macedo, José Torres, Marco Telmo Quintino, Nuno Góis, Paula Cunha Rosa, Pedro Estorninho, Rui Pisco, Silvestre Martins, Sónia Barradas e Zeca Medeiros.

A música é da responsabilidade de Banza, Dimitris Andrikopoulos, João Veiga, Marco Oliveira, Mariana Martins, Nuno Silva, Rui Feitas, Rui Santos, Silvestre Martins e Zeca Medeiros.

Nuno Góis explica que entregou um poema a cada intérprete, o qual “depois tinha liberdade total para ser o realizador do seu próprio ‘vídeo-poema’”. Este só tinha que ser “conjugado com a música, com o [diretor de fotografia] Fábio Mestrinho” e com o próprio Nuno Góis.

Nesse sentido, todos os ‘vídeo-poemas’ são “completamente diferentes” uns dos outros, uma vez que “saíram de cabeças diferentes”, dando “visões diferentes a uma cultura muito tradicional”.

O diretor artístico acrescentA que “todos os vídeos foram filmados no território do concelho de Odemira, no interior e no litoral”, com exceção da décima interpretada por Zeca Medeiros, que foi gravada nos Açores.

“E são 13 décimas por serem 13 freguesias no concelho”, observou Nuno Góis.

De acordo com este responsável, o projeto ‘nasceu’ em plena pandemia de Covid-19, quando o Município de Odemira lançou uma iniciativa para apoiar o setor artístico-cultural do concelho, através da publicação de trabalhos em streaming ou nas plataformas online.

Foi então que Nuno Góis, “desafiado por Marco Telmo Quintino”, teve a ideia de avançar com este filme, que será apresentado publicamente este sábado, a partir das 21h30, no cineteatro Camacho Costa, em Odemira.

A exibição da obra integra a programação do VII Encontro Ibérico de Leitores de Saramago, que decorre durante o fim de semana, na Biblioteca Municipal de Odemira.

Opinião

Carlos Pinto

21 de Junho, 2024

O Segredo de justiça existe?

Vitor Encarnação

21 de Junho, 2024

Solidão

Carlos Pinto

7 de Junho, 2024

O problema da imigração

Napoleão Mira

7 de Junho, 2024

Mestre Vargas, Um Barbeiro Invulgar

Carlos Pinto

24 de Maio, 2024

Tensão extrema!

Vitor Encarnação

24 de Maio, 2024

Sábado à noite

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima