Cultura do Mediterrâneo "inunda" Castro Verde no fim-de-semana

Cultura do Mediterrâneo "inunda" Castro Verde no fim-de-semana

A estreia mundial do projecto "Orient 7Sóis", a nova criação artística original do Festival Sete Sóis Sete Luas e que reúne seis músicos do Mediterrâneo, marca a 20ª edição do festival "Planície Mediterrânica", que arranca esta sexta-feira, 14, em Castro Verde.
O espectáculo, no domingo, 16, às 19h30, no anfiteatro municipal de Castro Verde, irá fechar a edição deste ano da "Planície Mediterrânica", com a qual a vila integra a rede do Festival Sete Sóis Sete Luas, que envolve 30 cidades de 11 países.
O projecto "Orient 7Sóis" é dirigido pelo músico e compositor português Rão Kyao e conta com outros cinco músicos da Croácia, Grécia, Argélia, Espanha e Roménia.
O festival "Planície Mediterrânica", promovido pela autarquia local em parceria com as associações Sete Sóis Sete Luas e a Pé de Xumbo, celebra a tradição e a identidade mediterrânicas de Castro Verde, através das artes, dos sabores e da maneira de ser e estar do Alentejo e de intercâmbios com outras culturas do Mediterrâneo.
Além de concertos, bailes e teatro de rua, o festival, que dispõe de um café, um restaurante e uma esplanada mediterrânicos e uma feira do livro, inclui oficinas de danças e instrumentos de percussão, exposições, residências artísticas e cante alentejano.
O concerto do grupo Campaniça Trio e o espectáculo da "7Luas.Orkestra.20°" [na foto], projecto criado para celebrar os 20 anos do Festival Sete Sóis Sete Luas e que conta com a participação de seis músicos do Mediterrâneo, vão marcar a primeira noite do festival no anfiteatro municipal.
A pré-apresentação do primeiro álbum a solo da cantora, acordeonista e concertinista portuguesa Celina da Piedade (16h00 no cine-teatro municipal) e o concerto dos espanhóis La Banda Del Pepo (21h30 no anfiteatro municipal) são as principais ofertas musicais de sábado, 15.
Segue-se, a partir das 23h00, dois espectáculos de rua, "Incêndio!" e "Dino2", da companhia de teatro espanhola L’Avalot, que irá "surpreender" o público com "um grande incêndio" fictício num edifício e fazer "reviver" dinossauros nas ruas de Castro Verde.
A companhia L’Avalot voltará a "surpreender" o público no domingo, 16, às 19h00, com o seu novo espectáculo "Tikiterium", em que seis "tikis" (bonecos gigantes) irão desfilar pelo espaço do festival e acompanhados por música.
"Regresso às Origens", do pintor francês Moss, "L’Acte Fotographique – le dialogue", do fotógrafo grego Konstantinos Ignatiadis, e "Síria: três olhares", com fotografias de Santiago Macias, Pedro Barros e Rui Tremoceiro, são algumas das exposições.
"A Preto e Cal", uma instalação de Vanda Palma, a "Colectiva de Pintura e Escultura", com obras de Ana Lebre, Vanda Palma, Alberto Reis, Helena Lousinha, Jaime Lebre e Ricardo Rodrigues, e "L’Homme dans tous ses états", do pintor marroquino M. Bouzoubaa, são as outras mostras patentes.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima