“Viver todos os dias cansa”*

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Ana Ademar

actriz

Diz-se que aprendemos com a idade. E ainda bem. Alguma coisa de positivo havia de vir com a perda de elasticidade da pele, os pêlos em sítios inestéticos, borbulhas e outras erupções cutâneas, orelhas e narizes enormes (li algures que são as únicas partes do corpo que nunca param de crescer – se isto não é assustador, não sei o que será).
Há coisas que só se aprendem à força: precisei de algumas noites sem dormir para perceber que, aos trinta, o café me começou a afectar e que a única solução é enganar-me todas as noites com descafeinado.
Neste preciso momento estou em frente ao computador, sentada numa cadeira desconfortável, com o gato (que perde quantidades incríveis de pêlo) a morder-me os calcanhares (literalmente) e tenho à minha frente uma belíssima caneca de café. Descafeinado. Não posso pensar muito nisso, porque embora racionalmente perceba que o sabor é o mesmo, há qualquer coisa em mim que me faz resistir à embalagem azul. Cá dentro, sinto que descafeinado é coisa de mariquinhas… Porque, apesar de toda a sabedoria já adquirida ao longo das minhas três décadas (ai!), ainda me deparo com algumas infantilidades: coloco sempre quatro ou cinco colheres do maldito pó, em vez das três que chegariam perfeitamente, convencida de que, talvez assim, a mistela seja mais próxima do verdadeiro café!
Há dias em que me sinto mais crescida – quando bebo descafeinado – outros em que só me sinto velha: quando olho para o espelho, depois de uma noite mais longa, e vejo os dois copos de vinho ingeridos estampados em forma de papo debaixo dos olhos.
Mas nos dias em que me sinto mais conhecedora da arte que é andar por este mundo sem levar mais que a porrada necessária/inevitável (riscar o que não interessa), fico tão contente com a infinita sapiência acumulada, que, se não fosse a ciática, dava pulos de alegria. Aprendi que um frasco de pickles lavado não serve para guardar açúcar, porque o cheiro não desaparece. Aprendi que é mais fácil usar a loiça do escorredor do que tirar mais do armário, porque, invariavelmente, quando empilhar a segunda dose de loiça lavada, vou partir qualquer coisa. Aprendi que nunca tenho dias livres por altura da Feira do Livro e não vale a pena chorar por isso (ou vale, mas os papos debaixo dos olhos no dia seguinte impedem a cascata lacrimal). Aprendi que podia ter escolhido uma vida mais fácil, mas não tê-lo feito faz-me mais feliz (ou deu-me danos cerebrais irreparáveis, ainda não sei). Aprendi que às vezes um adeus é a melhor coisa do mundo, mas que é muito difícil ficar a ver as costas de alguém a desaparecerem. Aprendi que temos mesmo de mudar e deixar mudar. Aprendi que há pessoas que querem ser minhas amigas, ainda que eu seja o tipo de pessoa que não gosta de admitir publicamente que, à noite, tem de beber descafeinado. Aprendi que, às vezes, é urgente fugir do mundo e ficar só com o meu gato, os meus calcanhares arranhados e mordidos, a minha cadeira desconfortável e as minhas incontáveis canecas de café. Ou de descafeinado. Porque às vezes o mundo cansa, e é preciso tirar umas férias, nem que sejam em part-time.

*É o título, brilhante, de um livro (que não li)
de Pedro Paixão que se inspirou no, também brilhante,
poema de José Gomes Ferreira “Viver sempre também cansa”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima