Uma (primeira) oportunidade perdida

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

José Filipe Murteira

professor do Ensino Secundário

Realiza-se no próximo dia 16 de Outubro o último voo Beja-Heathrow, inserido no programa que, desde 22 de Maio, trouxe à nossa região algumas centenas de turistas britânicos (não, obviamente, a quantidade que todos desejaríamos, mas a que, para primeira experiência, foi possível).
Um estudo promovido numa parceria entre a ANA e o IPBeja revelou que, até ao dia 31 de Julho tinham desembarcado em Beja 199 passageiros e que, até ao final deste programa, estavam previstos mais 158, o que totalizaria 357. Relativamente aos destinos escolhidos por esses turistas, esse estudo referia “… a estância balnear de Tróia e as localidades de Évora, Monsaraz, Serpa e Mértola, além da Barragem de Alqueva.” (“Correio Alentejo”, 12 Agosto).
Se a presença de Serpa e Mértola não deixou de ser uma (boa) surpresa, já os outros locais citados, bem como a ausência de Beja, não constituiram nenhuma novidade.
De facto, desde o início que Beja foi completamente ignorada em todo este processo, apenas sendo mencionado o seu aeroporto, tipo subúrbio de qualquer cidade europeia (Barajas, Fiumicino, Heathrow, etc). E não foram poucos os meios de divulgação : o site da operadora Sunvil, as notas de imprensa de uma agência de relações e marketing ( www.travelpr.co.uk ), os artigos publicados em alguns dos principais jornais britânicos e, finalmente, um site específico de promoção (www.realalentejo.co.uk ).
Todos estes meios, provavelmente inseridos numa campanha promocional dos 22 voos que se iriam realizar, tinham como denominador comum o destaque de cinco destinos: Évora, Tróia, Monsaraz, Vila Nova de Milfontes e Alqueva. Em alguns artigos, apareciam outras localidades, como Vila Viçosa, Arraiolos ou Zambujeira. Finalmente, só no final de Agosto, lá surgiu uma referência a Beja, numa revista de culinária ( www.theculinaryguide.co.uk ).
A discriminação de Beja é tanto mais estranha (e revoltante), se pensarmos que esta campanha promocional poderá ter tido o apoio financeiro de organismos públicos, que deveriam ter actuado para a evitar. Desconheço se isso aconteceu, mas não seria de admirar se esta nova rota recebesse o apoio do programa Iniciativa.pt, financiado pelo Turismo de Portugal e pela ANA em 40% cada, e pelas Agências Regionais de Promoção Turística em 20%. Entre 2007 e 2011 esse programa investiu mais de nove milhões de euros, em 39 ligações aéreas, a maioria low cost (público.pt, 25 Agosto).
O site realalentejo é muito mais explícito quanto à possibilidade desse financiamento público, já que lá estão os logótipos do Turismo de Portugal, da Turismo do Alentejo e até do InAlentejo ( o que pressupõe um cofinanciamento comunitário).
Para além deste “esquecimento”, não deixa de ser ridículo o conteúdo de alguns dos artigos de jornal, parecendo até que alguns dos jornalistas que os assinam nem sequer se deslocaram ao Alentejo, limitando-se a repetir as press release. Para não falar, é claro, das expressões reveladoras de um certo paternalismo (ou algo mais).
Alguns exemplos, extraídos das edições online: Adrian Mourby, no “The Independent” (19 Junho), refere-se a Évora como uma cidade “fundada há mais de 2.000 anos pelos Lusitanos”, situada “numa colina sobre o rio Tejo”; Jill Main, no “Daily Mirror” (7 Agosto) , visitou nessa cidade “uma grande sala decorada com os ossos de 5.000 macacos”. Neste mesmo artigo lê-se também: “imagine um Portugal 40 anos atrás – Bem-vindo ao Alentejo”. Gavin Mc Owan, no “Guardian” não o faz por menos e refere-se à “mais pobre região no mais pobre país da Europa Ocidental” e, para concluir, Sarah Shuckburgh, no “Sunday Telegraph” (31 Janeiro) confessa que “pode ser a mais pobre e menos povoada região, mas a cozinha é maravilhosa”.
Curiosas, também, são as “rotas” de alguns desses jornalistas. Por exemplo, um deles vai de Milfontes a Évora, passando por “dúzias de pitorescas cidades medievais” (“Guardian”), enquanto que outro vem de Vila Viçosa, passa por Évora e “aterra” na Costa Vicentina, cujo nome é “devido a São Vicente, padroeiro de Lisboa” (“Sunday Telegraph” de 8 Agosto). Apetece mesmo perguntar : ninguém lhes disse que uma dessas “pitorescas cidades” é Beja?
Sim, porque até não teria sido difícil, se a Turismo do Alentejo e o Município de Beja tivessem pensado em algo de muito simples, que poderia passar pelas primeiras quatro horas da permanência desses mais de 300 turistas na nossa região : transporte gratuito do aeroporto para a cidade, uma visita guiada e um almoço num restaurante local (incluído, claro, no pacote adquirido).
Talvez assim tivessem conhecido a bela e imponente Torre de Menagem, que terão apenas descortinado ao longe, o convento onde viveu a freira escritora de cartas de amor ou a magnífica loggia da Praça da República, que alguns até iriam comparar com a que viram em Florença.
Talvez assim contassem aos seus amigos que visitaram uma cidade com mais de dois mil anos de história e um rico património, não ficando o nome de Beja apenas associado a um aeroporto destinado a servir Évora, como Heathrow serve Londres.
E não se teria, deste modo, perdido a primeira oportunidade de aproveitar o aeroporto como instrumento estratégico para a promoção turística da cidade e da região.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima