Uma coisa muito séria

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

António José Brito

director do correio alentejo

O que seria de Castro Verde sem a mina de Neves-Corvo?
Esta é a pergunta que nos assalta. E como explicamos hoje, nesta edição, há realmente um tempo antes da Somincor e um tempo depois da Somincor.
Castro Verde era um concelho como tantos outros no Alentejo. Agricultura pobre, desertificação humana, falta de recursos públicos, escassez de trabalho. Um quadro doloroso de estagnação e falta de dinâmica. A isto respondia a Câmara Municipal, à sua medida. Sem grandes meios e com limitações. Ainda assim, com capacidade para dar respostas às necessidades básicas.
Se a investigação persistente de geólogos e outros especialistas não tivesse detectado o filão, Castro Verde seria pouco mais do que uma terra depressiva. Às voltas com a monocultura dos cereais. Procurando em desespero respostas para mitigar a fuga dos mais jovens. Tentando inventar alguma coisa capaz de contrariar o seu destino.
Tocado por Midas, o concelho fintou a fatalidade que se adivinhava. Com o início da extracção dos ricos filões de Neves-Corvo, aquela terra nunca mais foi a mesma. O tempo depois da Somincor é, verdadeiramente, um tempo mais próspero e de muitas oportunidades.
Castro Verde ganhou muito com a descoberta da mina. Com a chegada de muitas pessoas. Com o enriquecimento e diversidade do meio social. Com as novas oportunidades de negócio. Com o dinheiro de bons ordenados.
Mas haverá apenas vantagens neste quadro de transformação?
É difícil eleger fragilidades. Muito difícil. Contudo, neste momento de análise a 20 anos de uma mudança “preciosa”, não devemos ignorar os pontos fracos do percurso.
O primeiro está associado à isenção, ofertada por Cavaco Silva, que permitiu à Somincor não pagar impostos nos primeiros cinco anos de actividade. A memória é curta, mas essa isenção, inexplicável e deslocada, impediu o concelho de receber muitos milhões de euros de impostos, através da Derrama lançada anualmente pela autarquia local. Esta será, talvez, a mais incómoda pedra no sapato. E dirão alguns: “Nos anos seguintes têm recebido muito dinheiro”. É verdade. Mas sejamos justos. Castro Verde deveria também ter beneficiado daquilo a que tinha direito. Aquele perdão sem sentido continua a ser uma espinha na garganta de todos.
Noutro enquadramento, devemos salientar a incapacidade reinante para criar alternativas à mina. Neves-Corvo vai esgotar-se e as sequelas vão surgir. Como em São Domingos ou no Lousal. Nestes 20 anos de Somincor, temo-nos cansado de escutar promessas de empenho para encontrar uma dinâmica paralela, que contrarie a monocultura mineira. Há resultados? Não há. O que há são temores incontidos e um desejo profundo para que as prospecções confirmem mais e melhores filões. Para que a mina não morra um dia.
Hoje, orientada pela lógica privada, Neves-Corvo corre dois riscos. Pode ver antecipada a sua vida útil mas, em contrabalanço, também pode ver largamente prolongada a sua duração. Nesta equação de difícil equilíbrio, parece-nos inadiável que haja outra dedicação à causa das alternativas.
Julgamos pouco acertado que seja a própria Somincor a mais empenhada nessa tarefa. O seu contributo é fulcral, mas o motor desse trabalho tem de ser o Estado – através das autarquias e da administração central.
A lógica empresarial privada tem um perfil muito diferente da lógica pública. Para o bem e para o mal. Assim, depois de década e meia a marcar passo, convém que as autoridades reflictam com objectividade e pragmatismo sobre esta questão. Uma coisa muito séria, como se viu um dia lá para os lados de São Domingos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima