Uma casa na paisagem

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Pedro Prista

professor do ensino superior

O motivo pode parecer fútil, mas foi a paisagem que nos trouxe aqui, a este Alentejo atlântico. Naqueles anos Oitenta, por vezes sem sabermos uns dos outros, lá fomos chegando. Lisboa regressara às rotinas do seu desinteresse e o passado recente tinha sido demasiado exaltante para abandonarmos a vontade de começar vidas. Este litoral era límpido e grande, livre das multidões obtusas da cidade. Quase sem gente, até nas suas pobrezas tinha uma franqueza clássica. Esta paisagem parecia que salvava. A paisagem é o modo como julgamos que o mundo olha para nós, e foi a sedução.
Depois foram os planos, as casas, os filhos alegres ao sol. A casa era o nosso acerto com esta paisagem e o garante da nossa história aqui. Pelos montes decaídos e refeitos, em vilas e aldeias, por ruas estreitinhas às vezes, com taipas, pedras, tijolos, massas, com sarilhos enfim, tomámos os nossos lugares, os lugares das nossas casas. Chegou a parecer que a paisagem nos esperava para ficar pronta. Mas as casas são sobretudo o modo como somos recebidos pelos outros que lá estão, e quando tudo parecia pronto, é que começámos afinal a chegar. A paisagem começou então a ter mais pessoas. É a casa que nos tira do centro do mundo, e é bom que assim seja, que ele não é lugar de ninguém.
De todas as muitas pessoas desta paisagem, um dia por um sinal, noutro numa passagem rápida, noutro ainda numa conversa ou por um encontro, começamos a conhecer umas pessoas diferentes e escusas. Eram as pessoas portadoras de deficiências, a quem calhara na vida a mesma paisagem que a nós, mas que parecia não poderem estar nela.
Pareciam escondidos, escondidos até de si próprios na vergonha culpada de serem assim, remetidos às famílias e com elas enxotados para longe da dignidade da cidadania. Estavam aqui e pertencem todos à nossa vida. São nossos parentes próximos, ou vizinhos, ou amigos, ou parentes dos vizinhos dos amigos, mas sempre os nossos outros diferentes.
Só de pensar nos pesados e exigentes cuidados que as suas vidas requerem, para gestos que fazemos todos os dias até distraídos de os estarmos a fazer; ou na distância a que ficam de coisas públicas, que lhes impõem proezas impossíveis; ou na angústia das famílias ao ver chegar o tempo de precisarem elas de apoio e não poderem parar de dá-lo, só de pensar nisto tudo, e ainda que isto é a vida de tantas pessoas, todos os dias, choca a falta a esta paisagem de uma casa especial, que preste apoio a clientes e famílias – a Residência da Associação de Paralisia Cerebral de Odemira.
O Estado, através do POPH e da Câmara Municipal de Odemira, garantiu já três quartos dos custos. Alma e trabalho, dá-os a APCO. Faltam trezentos mil euros para ter tudo a funcionar. Vamos pedir a todos os lados e vamos contar a história das respostas obtidas.
O motivo de termos vindo para este litoral podia parecer fútil, mas hoje, com um projecto destes nas mãos, sonhar uma “casa” na paisagem ganhou muito mais sentido.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima