“Scutipoito”

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Miguel Rego

arqueólogo

Definitivamente, não! É a única expressão sensata que me vem à cabeça. E por duas razões muito fortes. A primeira é que não podemos conceber, sequer como hipotética, a construção do campo de tiro para os aviões militares, entre Serpa e Mértola. A segunda é de que é inconcebível a ideia profundamente ilegítima e irracional que está por detrás da construção do IP8, a partir d’agora “Scutipoito”. Aquela que deveria ligar Sines a Ficalho, mas que, afinal, se fica por Beja, será finalmente feita, mas a sua utilização está sujeita a portagens. Da primeira ideia estou ainda descansado, pois será ainda objecto de decisão do escriba que tem nas mãos o folhetim grandiosamente apelidado de AeroLisboa – OTA + Alcochete – Lisboa + 1 = a JAE – IE + empresa de capitais exclusivamente públicos = 2099. No entanto, mesmo que passe ao primeiro papel, terá seguramente à pega, numa segunda fase, a viril oposição das associações de defesa do património e dos caçadores da região, para além dos potenciais interessados num importante projecto turístico de características transfronteiriças, nas terras de Mértola. Contudo, não posso deixar de exclamar de que é preciso ter imaginação! Ou então, e aí fico verdadeiramente especado, constato que é mais fácil construir um aeroporto e um campo de tiro na região do que construir uma casa ou mudar de cultura arvense. Mas fico, desde já, com a certeza absoluta de que afinal a passarada, a REN, a RAN, as raposas, os abutres do Egipto, os quebra-ossos e os linces do deserto, desculpem, ibéricos, já não são para aqui chamados. Definitivamente, qualquer assunto de dificuldade acrescida, mesmo que ponha em causa a fragilizada biodiversidade e a riqueza natural da região, desde que se decrete que é um PIN, deixa de ser problema. Acho bem. Desde que o desenvolvimento seja para bem da nação… Vivam os “pins”! Mas agora o “<i>Scutipoito</i>” … Com portagens? Só pode ser brincadeira. Não bastam as distâncias que é necessário percorrer para fugir ao corriqueiro caminho de quem quer ir para a zona de Sines. E a importância que a ligação do porto marítimo e dos terminais que lhe estão associados pode ter para o desenvolvimento deste Alentejo. E a ligação deste porto marítimo à Espanha? Não estamos a falar de uma via de comunicação feita, em particular, para o apoio a serviços, a actividades descontextualizadas ou a coisa nenhuma, porque o cidadão comum já não conta para nada. Estamos a falar de uma via de comunicação fundamental para ligar o Alentejo à Andaluzia (em particular as cidades de Sevilha e Huelva), com a perspectiva da deslocação de importantes actividades e serviços para a região, considerando a profunda alteração do aparelho produtivo na zona de Beja que provocará aqui a instalação do aeroporto e de indústrias ligadas aos bio-combustíveis. Não ao campo de tiro e não às portagens no “<i>Scutipoito</i>”. E é preciso escrevê-lo já!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

DECO promove atendimento em Odemira

Esclarecer dúvidas sobre os direitos do consumidor em diversas áreas é o grande objetivo das sessões gratuitas de atendimento que a DECO – Associação Portuguesa

Role para cima