Quem te “ajuda” teu inimigo é!

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Miguel Madeira

dirigente do PCP

Uma das expressões que mais tenho escutado nos últimos dias é “ajuda” externa. Mas pergunto-me: “ajuda” em quê? “Ajuda” a quem? Não se trata de uma “ajuda”, mas sim de uma ameaça, uma ingerência, uma intervenção estrangeira no nosso país, ao serviço dos interesses dos grandes grupos económicos e financeiros (esses sim ajudados) que o Fundo Monetário Internacional (FMI), a União Europeia (UE) e o Banco Central Europeu (BCE) se preparam para impor aos trabalhadores e ao povo português, com a bênção de PS, PSD e CDS-PP.
Esta intervenção externa e o que lhe está associado – roubo nos salários, cortes nas prestações sociais, redução das funções sociais do Estado, privatizações, recessão – é um processo que, não resolvendo nenhum problema do país, constituirá um novo e mais grave factor de agravamento da exploração dos trabalhadores, de ampliação da injustiça e desigualdades sociais, de declínio económico e de dependência externa.
Perante este rumo desastroso e num momento crucial para o país, é preciso dizer não! Dizer não a este caminho de afundamento e de comprometimento do futuro de Portugal. E afirmar que não tem de ser como nos querem vender, que este caminho não é inevitável, que há outra solução. Há alternativa! Com uma política patriótica e de esquerda, o que no imediato impõe a renegociação da dívida externa (prazos, juros e montantes); a diversificação das fontes de financiamento; a acção convergente com outros países vítimas da especulação financeira e do euro; a aposta na produção nacional (produzir mais para dever menos); a redução das importações, a par do aumento das exportações e a diversificação das relações comerciais.

<b>Queremos o Aeroporto a funcionar … a sério!</b>

No momento da publicação desta edição devem estar a regressar os passageiros do chamado voo pré-inaugural do aeroporto de Beja com destino a Cabo Verde. Após uma cerimónia toda engalanada, de muitos holofotes e flashes, poder-se-ia deduzir que haveria razões de sobra para estarmos todos satisfeitos, mas infelizmente as portas fechadas, a ausência de trabalhadores, de passageiros e de aviões não o permite. Bastava lá voltar entre os dias da partida e da chegada para estar de volta à dura realidade com a qual se confronta o aeroporto, que há muito deveria estar ao serviço das populações e constituir uma obra fundamental para a criação de emprego e para o desenvolvimento regional, mas que continua mergulhado em atrasos, indefinições e ausências de estratégia que comprometem o seu correcto e integral aproveitamento.
Mais do que voos simbólicos de duvidosas razões e acções de propaganda, até com “direito” à presença de membros do Governo e seus quejandos, até tendo em conta o actual momento político pré-eleitoral, o que faz falta é resolver o que está por resolver, designadamente a certificação, para que o aeroporto comece a funcionar e seja, de facto, colocado ao serviço da região. Faz falta um modelo de gestão pública do aeroporto, com a participação das instituições representativas da região, que assegure as condições necessárias ao rápido aproveitamento de todas as suas potencialidades para transporte de passageiros e carga e a instalação de um cluster associado às actividades aeronáuticas que contribua para a dinamização empresarial local. Estes são passos fundamentais para termos o aeroporto de Beja a funcionar … a sério!
Por fim, uma nota: façamos do 25 de Abril e do 1º de Maio momentos de luta concreta pela democracia, pela liberdade, pelos direitos dos trabalhadores e do povo, que tanto têm sido atacados pela política de direita de sucessivos governos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima