Que Beja queremos?

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Hugo Lança Silva

professor do ensino superior

Quando os primeiros raios de sol descem sobre a cidade, os bejenses que não fogem da cidade aos feriados e fins-de-semana mergulham no Parque da Cidade, inequivocamente a marca mais positiva de um falhado programa Polis! Muitas vezes vejo-os chegar, enchendo o espaço do sorriso único das crianças e perdido num livro não consigo evitar pensar se o sucesso do Parque da Cidade resulta da excelência do local – onde apenas faltam as sombras – ou se da triste melancolia da inexistência de alternativas!
Beja abandonou o jardim público, deixando o espaço morrer de tédio enquanto se espera uma alternativa que há anos me parece óbvia; o Município quis ser o pai afectivo do espaço da Ovibeja, para depois abandonar o filho adoptado, ameaçando o Parque de Feiras e Exposições do cruel ostracismo de ser usada uma vintena de vezes por ano, numa arrepiante impotência para conseguir usufruir as imensas potencialidades do espaço. Insiste-se no decrépito edifício da Casa da Cultura e deixa-se arrastar uma solução para o antigo estádio, na esperança que o terramoto da passagem do tempo destrua o pouco que resta para se erigirem alguns edifícios para os beneficiários do costume e a piscina municipal a caminhar alegremente para uma morte anunciada, na esteia do seu contemporâneo mercado municipal. A ligação da cidade ao Rio Guadiana, sem dúvida a mais apaixonantes promessa eleitoral da ultima campanha, arrasta-se no tempo, continuando o rio uma miragem muito ao longe, nos campos do inacessível!
Era fácil assacar responsabilidades ao executivo camarário: três anos de completa apatia, uma gestão para o quotidiano de pão e circo, com rotundas, pequenos jardins e campos de futebol nas freguesias rurais mais apetecíveis, uma exasperante incapacidade para sonhar a cidade, festas e feiras para distrair o povinho e a interiorização de que quando pior, maiores são os ganhos eleitorais, acompanhada de uma fobia ao empresariado, seriam motivos que sobejam para comprar nos inúmeros pecados do actual executivo camarário, as razões para o desgraçado estado da nossa cidade.
Mas esse nunca foi nem será o meu caminho, do mesmo modo que nunca alinhei nas teorias simplicistas de culpar os diversos governos centrais pelo complexo estado do país. Se todas as carências de Beja se resolvessem com uma mudança de actores políticos, bastaria que o acto eleitoral oferecesse um verdadeiro 25 de Novembro para que a cidade reencontrasse o sorriso há muito perdido!
Desconfio dos partidos e perdi a capacidade de sonhar com o Messias; mas acredito em projectos que sejam passíveis de mobilizar e valorizar aquilo que a cidade tem de melhor para oferecer: os bejenses!
Beja é uma cidade que tem tido vergonha de ser capital de distrito, com a satisfação medíocre de se subalternizar a Évora, como se a pequenez fosse uma virtude, como se fosse verdadeira a inevitabilidade de este ser o nosso cruel destino!
A cidade de Beja necessita urgentemente de um projecto mobilizador: por uma vez na democracia, que não se discuta se determinada rua deve ter trânsito num ou em outro sentido, onde se vai construir a próxima rotunda ou plantar o próximo campo de jogos, nos inúmeros buracos das nossas ruas – que até ao Verão serão tapados, depois deste longo abandono – ou abanar os fantasmas de sempre, criando medo no eleitorado; precisamos de conseguir pensar e planear a nossa cidade, responder à pergunta que é crucial: que Beja queremos para daqui a 12 anos?
Escrevo estas linhas na segunda de Carnaval, época em que os foliões se deslocam a Cuba e a Vidigueira, porquanto a cidade os esqueceu; a três meses de abrir um aeroporto sem que o Governo se tenha recordado de fazer as estradas ou o Município de permitir a instalação de empresas; em plena mudança estrutural na agricultura provocada pelo Alqueva, com uma comovente incapacidade para os empresários locais de usufruírem desse imenso filão! Redijo este texto, durante uma gravíssima crise económica internacional, enquanto os meus conterrâneos enchem o Continente e passeiam no Parque da Cidade.
Mais do que culpar os poderes locais e centrais, este é o momento em que nos devemos criticar a nós próprios! Tempo de ser exigente com a política e os políticos, de contribuir activamente para encontrar soluções em vez de passar o tempo em criticar os problemas, de ter a audácia de ser um verdadeiro cidadão.
Este é o tempo e o momento de reunir quem estima e ama esta cidade, de convidar os jovens a apaixonarem-se pela cidade e ajudarem a construir um futuro que também lhes pertence! Beja precisa de “causas”, de ousar sonhar o futuro, de assumir as suas valências e oferecer à região e ao País as suas diferenças, as peculiaridades que a tornam única! E de perder este estranho receio de ser capital, quer do concelho, quer da região, quiçá daqui a uma década, do sul do País. Porque não o sonhar é a cobardia de se contentar com a mediocridade!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima