Os soldados da paz neste Natal

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Rodeia Machado

técnico de segurança social

Volto de novo a falar na época natalícia, e desta vez para prestar homenagem a todos quantos, nos vários sectores de actividade têm que permanecer ao serviço, para que nós possamos passar, em nossas casas, junto à família, um Natal tranquilo.
Refiro especificamente os bombeiros portugueses, sobretudo os voluntários, que de forma abnegada e altruísta deixam as suas famílias e passam o Natal de forma diferente, ou seja, também em família, mas desta vez na “família dos bombeiros”.
Conheço-os bem, vivo permanentemente no seu seio e sei das suas dificuldades, dos seus anseios, das suas aspirações, mas também da sua imensa solidariedade, do seu carácter honroso e honrado, do seu apego à causa pública, que o mesmo é dizer da sua coragem e abnegação para dar à comunidade, para dar ao outro mais do que dão a si próprios.
Conheço-os em alturas difíceis, quando em combate aos fogos florestais se dedicam de alma e coração àquilo que fazem e da forma que o fazem.
Conheço-os quando socorrem as vítimas de acidente na estrada ou em qualquer outra circunstância adversa, na urgência ou emergência.
Conheço-os quando socorrem as pessoas em catástrofes naturais, em inundações ou situações diversas. Conheço-os quando muita gente a eles recorre para actos simples, como a abertura de portas (por esquecimento das chaves) ou para retirar um animal de estimação (frequentemente gatos) que subiu a uma árvore e é preciso ir lá retirá-lo.
Conheço-os, nas suas dificuldades e também nalgumas incompreensões por parte de entidades oficiais, que a eles muito devem e que não os tratam como deve ser.
Fazem trabalhos prestando serviço e apoio à comunidade onde estão intimamente ligados e donde dela emanam, substituindo o Estado no que à segurança de pessoas e bens respeita e constitucionalmente está consagrado. E por isso têm direito a ser compensados financeiramente pelo Governo, mas ainda não o são.
Têm o reconhecimento público desta actividade, como ficou patente no inquérito público que recentemente foi feito. Ou seja, foi inquirida a população sobre em quem mais confiava de uma forma geral e a resposta foi pronta: nos bombeiros, foi a afirmação mais conseguida.
Mas se esta é a afirmação da população, a do governo não é menor e continua a ser afirmada, mas não realizada, pois está ainda distante a garantia do financiamento adequado para os bombeiros. Os bombeiros são parceiros de corpo inteiro, mas por vezes não são reconhecidos como tal.
Eles são parceiros para o bem, na emergência pré-hospitalar e o INEM não os reconhece por vezes nessa função, e não lhes paga devidamente pelos serviços prestados à população. Por isso estão indispostos com o INEM, mas nem por isso deixam de fazer o serviço à população.
Para os bombeiros, em primeiro lugar está, e sempre estará, o apoio às populações.
Conheço-os exactamente nesta época natalícia quando outros estão no quentinho do lar com as suas famílias e eles ficam de serviço na noite e no dia de Natal, na véspera e no dia de Ano Novo.
Conheço-os e admiro-os pelas suas capacidades, mas sobretudo pelas suas qualidades morais e humanas.
Não é em vão que as associações de bombeiros são associações humanitárias.
Nesta altura, os bombeiros, soldados da paz, merecem ainda mais os nossos votos de Feliz Natal!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima