O pesadelo

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Hugo Lança Silva

professor do ensino superior

Imbuído no meio de prazos e projectos, o sono tranquilo foi atormentado por um pesadelo que me despertou inquieto! O sonho – vamos baptizá-lo assim para fugir da redundância – era sobre a cidade de Beja sem que nunca tenha existido Ensino Superior.
Pela mente perpassou-me uma cidade em que os jovens tinham de migrar para Lisboa para continuar os seus estudos – caso as famílias tivessem condições económicas para suportar esta imensa empreitada –, sendo que na sua gorda maioria eram forçados a engrossar abruptamente o mercado de trabalho não qualificado, onde quer que os empregos os levassem! Uma região em que as largas centenas de pessoas às quais a vida esbulhou na adolescência a possibilidade de seguirem estudos superiores não teriam tido a possibilidade de, na idade adulta, perseguirem um desejo de criança e em regime pós-laboral alcançarem a almejada licenciatura.
Em sobressalto, imaginei uma cidade que, se hoje tem imensas carências de quadros qualificados, não oferecia nenhumas condições para o regresso a casa dos filhos da terra, abandonando-os à sua sorte no litoral do país ou pelo estrangeiro, quebrando os laços que os ligam à cidade onde cresceram.
Acordei sobressaltado com a imagem da cidade que conheci na primeira adolescência, embora agora duas décadas mais envelhecida, sem milhares de jovens de diferentes partes do país, que nos ofereceram a sua alegria e colorido, diversidade de culturas e formas de estar, pequenos excessos próprios da idade, embrulhados numa imensa curiosidade em viver; jovens adultos que o destino senta há uma década em mesas frente à minha, que vejo crescer, desenvolverem projectos, lançar propostas, que chegam com medo de uma cidade desconhecida e inóspita ao primeiro olhar, para se tornarem mais bejenses que muitos dos que aqui nasceram e chamam a cidade de sua, para partirem com lágrimas de saudade.
Neste meu sonho aflitivo, no mês de Maio milhares de pais e famílias não enchiam um feliz sábado da cidade, para uma Bênção das Pastas religioso-folclórica, onde se evoca o fim das licenciaturas, perante uma cidade surda, onde ano após anos, grande parte da imprensa e todos os poderes políticos tentam ignorar um evento onde se festeja a importância e peso dos estudantes nesta cidade.
No meu pesadelo, a cidade estava ciente da impressionante pertinência do Ensino Superior, pelo que a opinião pública (e publicada) não perdia tempo a escalpelizar os momentos em que os estudantes erram, tentando escamotear os seus inúmeros aspectos relevantes, regurgitando o fantasma das praxes, procurando com argumentações científicas justificar que estes estudantes não aumentam a vida cultural da cidade ou gracejando que sem os estudantes quiçá diminuíssem alguns pequenos actos de vandalismo.
No meu sono atormentado pela trovoada que raiava no horizonte, a sociedade civil bejense – porventura outra ilusão de uma noite mal dormida – esquecia divergências mesquinhas e unia-se em torno de projectos importantes para a região, incapaz de assobiar para o lado quando assistisse ao lento agonizar de uma universidade que, goste-se mais ou menos, todos devemos reconhecer a imensa importância que teve para a região.
Nas divagações sonâmbulas deste que vos escreve, era despiciendo justificar a importância do Instituto Politécnico de Beja (IPB) com a tirania da matemática, um verdadeiro fascismo dos números, confrontando o leitor com o facto de o IPB ter actualmente aproximadamente 3.000 alunos e mais de quatro centenas de funcionários, docentes e não docentes, tornando-se na grandeza da estatística, a maior empresa da região. Neste meu sonho, era desnecessário firmar que se cada aluno, em média, despende cerca de 350 euros mensais, a economia real e paralela de uma pequena cidade como Beja, estão dependentes do sucesso desta cada vez mais complexa empreitada.
Não ignoro que nem tudo está feito, que se podia fazer mais e melhor. Não sustento que pessoas ou instituições devam estar acima de todas as críticas, não me coibindo eu próprio de as fazer, quando as entendo pertinentes! Se é tremendamente saudável desejarmos sempre um pouco mais, importa, de quando em quando, meditar sobre o que temos, recordar o longo e complexo percurso que nos guiou até aos dias de hoje e desenhar num rosto o sorriso tranquilo de quem acorda com a certeza que teve apenas um sonho mau! Mas com a profunda convicção que os pesadelos de hoje podem ser a realidade de amanhã, que mais difícil que conseguir Ensino Superior em Beja é conseguir mantê-lo, sendo uma batalha de todos lutar para que esta realidade seja eterna…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima