Mar

Quinta-feira, 25 Junho, 2020

Vítor Encarnação

Devia ir mais vezes ver o mar, o mar faz bem a tudo, não há sentido nenhum no nosso corpo que não o aproveite, não há horizonte mais plano do que o mar, lá ao fundo começa o céu.
Não vivo perto do mar, se calhar se vivesse não gostava tanto dele, a vida tem destas coisas, a distância faz-nos querer o que não temos.
Uma maré-cheia é o desejo que o mar tem de pó. É o mundo que se inclina lentamente, para que a água beba a terra e a enfeite de conchinhas e de segredos. E o fogo os aquente. Como um homem a uma mulher. Digo eu. O fogo é o sol. Mas também podem ser os olhos.
Quando o desejo baixa, sobra um fino lençol de água por onde eu passo descalço de tudo.
É preciso dizer que um mar com abismo é diferente. Um mar com abismo chora mais porque a água sabe que não consegue galgar aquela fronteira de pedra, aquele chão vertical, aquela impossibilidade de quem não tem asas. E só tem sal no corpo. É marulhada que se desmancha. E no meio desta aflição uma gaivota grita. Pois saibam que é ela que une o mar e o abismo. Num penhasco, a gaivota põe ovos. É de dentro deles, disseram-me, que se solta o vento.
Acho que o mar é azul porque o céu se deita sobre ele.
Nem mesmo o firmamento aguenta estar pendurado no vazio, crucificado no éter do mundo. E então quando o mar está verde? Que céu é esse que deixa ver os peixes e o apetite? Do íntimo, talvez do colo do horizonte, nasce uma onda. Faz-se de uma maneira de água e destino. É a garupa do mar, uma bandeira de sal, o mastro das profundezas. Um grito líquido. Uma caneta escrevendo espuma.
Apanho um búzio, ponho-o ao ouvido e escuto. É o vento doido a soprar debaixo de água.
Ao longe, um barco é uma mão que passa pelo mar. As unhas são proas rompendo a quietude da pele aguada. E nela, depois, notam-se os rastos de dedos. Esticam-se as cordas dos braços. Ata-se a brisa ao rosto. Acende-se uma vela em cada corpo. E lança-se uma âncora. E eu faço de conta que sou o capitão daquilo tudo. Um miúdo constrói castelos de areia. Ainda não conhece os outros materiais que se desvanecem.
O silêncio levanta-se e tapa tudo como um nevoeiro transparente.
O sol crepita no teto da praia.
Uma mulher traz o verão todo tatuado na carne.
Uma nuvem que passa é um ponto de exclamação que sinto por dentro.
Tonto de maresia e miragens, adormeço.
E já não vejo o mar a sorrir quando vaza.

O autor utiliza o novo
acordo ortográfico

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima