História [de Beja] com pontuação musical

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Rui Sousa Santos

médico

O que parece. O que é. E o que parece que é, mesmo não sendo aquilo que parece – história com pontuação musical.
Há sempre, nestas coisas como noutras da vida, um activo e um passivo. Um que propõe, que seduz, e um que aceita, que se deixa seduzir. Por vezes há um preterido, que não sabia, ou que, porventura suspeitava e que se arrisca a fazer a figura triste da história segundo os cânones tradicionais.
Ora é no respeito pelos cânones tradicionais que, na história de que falamos, a questão exactamente se põe. Um vereador, militante de uma força política minoritária num executivo municipal, eleito numa lista dessa mesma força política, aceita, seduzido (?), um pelouro, depois de o colectivo dessa mesma força política ter, em devido tempo, decidido recusar essa responsabilidade. Aceita o pelouro, entoando loas ao sedutor (?). <i>Allegro</i>.
O sedutor (?) não comenta, embevecido. <i>Pianíssimo</i>.
Há, entretanto, uma sessão da Assembleia Municipal. O porta-voz da força política maioritária suporta o sedutor (?). Que o que aconteceu, pode. Que o que parece não é. Que, não sendo aquilo que parece, é perfeitamente legal. A <i>sotto-voce</i>.
O vereador é chamado à tábua pela força política de que é militante e pela qual foi eleito. Com a qual deveria ter uma relação de proximidade e de transparência. A postura arrogante não facilita o exorcismo do indesculpável. Acontece a litúrgica defenestração, durante a qual o vereador pensa facilitar as coisas, atirando-se de cabeça pela janela, ao entregar o seu pedido de demissão do partido de que é militante. Evita-se o <i>da capo al coda</i>.
O novel empelourado vereador perora já sobre a área que peloura, em que muito terá que pelourar. <i>Allegro vivace</i>.
Aparente moral da história: mais vale agarrar um vereador com um pelouro do que ver dois vereadores a votar.
Descodificação: Ora o sedutor (?) está meio enrascado, mais os acólitos, porque a meio do percurso está longe de estar a meio do desempenho a que se propôs. <i>Gravíssimo</i>.
Há orçamentos para aprovar e os jeitos outrora de vários lados dados não têm condições para se repetir. <i>Larghissimo</i>.
Daqui a exactamente dois anos há eleições e convém ter cuidado com quem ainda pode fazer mossa. <i>Crescendo e staccato</i>.
Torna-se muita coisa transparente – confirma-se, inclusivamente, que a falta de vergonha e de sentido ético da política não são apanágio só das figuras dos culpados do costume. Bem como a falta de inteligência. E a ideia de que se seduz (?). <i>Grande finale</i>, aguarda-se!

II. Não esquecer o que se passou na Junta de Freguesia de Beringel.

III. Um diário semanário lido por muita gente, bem distribuído por tudo quanto é café, agremiação ou quejando, páginas pelas quais passam os olhos de muito boa gente. Um bom veículo de transmissão de informação regional, para o melhor e para o pior. Independente, assim o diz o cabeçalho. Teoricamente, porque há quem se permita balizar limites para a independência. Chamando-lhe conveniência política, por exemplo. Apenas triste, se fosse propriedade de apenas alguns. Não o é. É pago por todos nós. E, se na outra imprensa os donos da verdade não conseguem ter o acesso que gostariam, nesta mandam eles, decidem eles, diz um tonto de serviço. Estou ao seu lado na indignação, Pires dos Reis.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima