Do sonho de Abril[BR]à dura realidade

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

António Sebastião

presidente da Câmara de Almodôvar

25 de Abril de 1974, dia da revolução que, rapidamente, se transformou num tempo de esperança, de um Portugal livre, próspero e solidário. Portugal cumpriu, com relativo êxito, ao longo destes anos uma parte significativa dos objectivos da Revolução de Abril.
Construímos uma democracia política pluripartidária, um regime de liberdade e tolerância e levámos a cabo a descolonização dos antigos territórios ultramarinos e, independentemente dos erros cometidos, conseguimos estabelecer relações de estreita colaboração e amizade com os novos países, motivo pelo qual nos devemos orgulhar.
Foi importante que assim tivesse acontecido.
No entanto, para além da democracia e da descolonização existe um outro objectivo – o desenvolvimento de Portugal – que, não obstante termos melhorado, significativamente, os níveis de investimento público e de desenvolvimento económico e social, volvidos estes anos, constatamos que o progresso pleno e equilibrado ainda não foi alcançado.
Muitas das legítimas expectativas dos portugueses de acederem a níveis de qualidade de vida, equiparados aos dos cidadãos dos Estados Europeus mais prósperos, aguardam por melhores dias.
Como é sobejamente conhecida, a situação económica e financeira de Portugal é grave e exige, uma vez mais, sacrifícios a todos nós, em nome de um futuro mais seguro e sustentado.
Infelizmente, a palavra crise desde há muito que entrou nas nossas vidas e tornou-se num problema cíclico em Portugal.
Trata-se de um problema com contornos alargados, resultante de múltiplos factores, dos quais se destacam os níveis educacionais e a postura cívica dos cidadãos face ao necessário empenhamento, de forma a alcançar patamares de maior produtividade e ainda a ausência de estratégias e de políticas governativas adequadas.
Acresce que as assimetrias sociais são cada vez maiores, surgiu uma nova classe de pobres e de excluídos, o desemprego continua a crescer e as famílias portuguesas vêem aumentar os seus níveis de endividamento.
Um país que não consegue estabelecer o equilíbrio entre as suas receitas e despesas, que aumenta brutalmente a sua dívida externa e que tem uma taxa de desemprego sem paralelo, terá, inevitavelmente, o seu futuro hipotecado.
De forma a inverter esta situação, importa que, quer o Estado quer a sociedade portuguesa, encontrem caminhos inovadores bem como soluções alternativas, que potenciem os nossos recursos humanos e materiais, de forma a ficarmos menos dependentes do exterior.
Esta estratégia, para além de nacional, também deve comportar uma dimensão regional e local.
Como tal, e seguindo uma estratégia que entendo adequada para o concelho de Almodôvar mas que, grosso modo, também se poderá aplicar quer à região quer ao país, destaco os seguintes vectores:
• A educação e formação adequada de todos os cidadãos, para que possamos melhorar a nossa postura perante o trabalho e a produção de riqueza.
• O aproveitamento dos nossos recursos, com especial enfoque para as energias renováveis, essenciais a uma maior autonomia nacional em matéria energética.
• E a redução da despesa pública, sem que tal signifique o habitual ataque aos trabalhadores da administração pública ou aos sectores mais desfavorecidos da sociedade, mas antes eliminando o desperdício, designadamente nos gastos supérfluos do Estado e na manutenção de serviços públicos que se mostrem manifestamente desnecessários.
Trata-se pois, de uma tarefa que requer um grande equilíbrio, mas se for efectuada com seriedade e justiça, falando verdade ao país, poderá mobilizar os portugueses. Só assim, poderemos vencer este período difícil da nossa vida colectiva.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima