Barrancos

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Miguel Rego

arqueólogo

Há “lições” difíceis de compreender. De assimilar. Para mais quando a História impõe que as águas corram naquele que é o leito mais natural das coisas, apenas interrompido aqui e ali por grandes quedas de água. Usando a linguagem comum, nas revoluções, nos cortes radicais que tem o devir histórico. E a História que se escreve é sempre a dos mais fortes. Dos influentes. Dos mais ousados. Daqueles que têm sempre à mão os instrumentos com que ela se faz. Mas desafiar essa História é uma regra que nos obriga a dar voz à memória, na imensidão de silêncios e vazios que preenchem as muitas lacunas que fazem o tempo histórico. E por isso, senhor director, não posso deixar de discordar já, antes que passe mais tempo, e vir aqui dizer que o senhor José Manuel Durão nunca poderá ter no seu curriculo a legalização da corrida tradicional de Barrancos. Porque estava lá, na flor do acaso? Não chega. Não responde à História esse acaso. Nem muito mais ou menos. Sei onde quer chegar e compreendo perfeitamente a abordagem. E que de facto responde ao registo factual. Mas não é suficiente. Esta foi daquelas batalhas em que o David engoliu o Golias de uma forma inteligente, intensa e perseverantemente corajosa, sem ser importante compreender o “como”. No seu currículo poucos se podem dar ao luxo de estar do lado dos vencedores nesta batalha, muito menos os fortes e influentes, independentemente dos cargos que ocupavam. Poucos podem dizer que e como se venceu a distracção inicial dos partidos nas incongruências aparelhistícas que os caracterizaram; a mudança de atitude do, na altura, Presidente da República; os “nims” e “sims” de muitos influentes senhores que criaram uma espécie de guerrilha urbana comparável a coisa nenhuma em Portugal; do vazio da lei portuguesa às banais interpretações de articulados legislativos vindos do Comité das Regiões que, em Portugal, ninguém reconhecia; uma certa urbano-depressão que considerava a festa inconciliável com o desenvolvimento técnico-científico; uma certa apropriação marialvista que, em determinado momento, pôs em causa a defesa das touradas tradicionais de Barrancos. Venceu-se. Ponto final. As festas de Barrancos, na sua genuína especificidade, apesar de muitos aproveitamentos, só poderão aparecer no currículo das gentes da terra. E pouco mais. A coragem daqueles moços das Comissões de Festas; os comportamentos irrepreensíveis e a sensatez daquela população perante a pressão da comunicação social e do poder militar; a glosa das cartas anónimas e os sorrisos perante as ameaças de bomba; a verticalidade de um advogado da terra impassível perante os mais assanhados tubarões da lei; o inteligente diálogo do poder local com os mil poderes que em torno da festa se levantaram… Não senhor director. O senhor José Manuel Durão não estava lá e a vitória da “festa” não cai de bandeja no currículo de qualquer um. Pelos menos enquanto houver gente com memória.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima