Balanço do Verão

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Paulo Arsénio

eleito pelo PS - AM Beja

O escaldante Verão de 2010 está a pouco mais de uma semana, no calendário, de nos deixar. À boa maneira portuguesa nada como fazer um curto balanço do que foram estes três meses que terminam em 22 de Setembro. O que teve de bom, o que teve de mau. Não utilizarei nenhuma escala, nem nenhum método mais ou menos científico para chegar às conclusões que enumero.

<b>Comecemos pelo pior:</b>
– Os incêndios que marcaram os meses de Julho e de Agosto no nosso país. Uma tristeza ver um país em chamas com mãos mais ou menos criminosas por trás;
– A desastrada proposta de revisão constitucional do PSD. O primeiro grande tiro no pé da direcção de Pedro Passos Coelho e quiçá o princípio de uma gloriosa caminhada para nova derrota eleitoral em 2011 ou em 2013;
– O candidato presidencial apresentado pelo PCP. Apetece perguntar aos dirigentes da Soeiro Pereira Gomes se conhecem alguém mais ortodoxo sem terem de procurar numa península da Ásia;
– As vuvuzelas. O primeiro Mundial em solo africano fica negativamente marcado por esse pseudo-instrumento irritante. Retiram o som dos cânticos dos estádios de futebol, abafam as manifestações dos adeptos e, em resumo, matam o futebol e a emoção que lhe está associada. Vou ser muito directo: cada vez que vejo (ou oiço) uma coisa dessas apetece-me pisá-la e parti-la!
– Colocar nas mãos das autarquias a possibilidade de decidirem sobre a abertura, ou não, das grandes superfícies comerciais aos domingos e feriados nacionais. Parece-me perverso. De resto, sou absolutamente contra abertura desses estabelecimentos – e de outros que actualmente abrem –, nesses dias por motivos que, se desenvolvesse, valeriam uma crónica por si;
– O caso Casa Pia, respectivo acórdão, os debates anteriores e posteriores, as entrevistas às partes envolvidas, a intolerância, os recursos, os julgamentos populares, etc. Tudo muito mauzinho. De fio a pavio;

<b>O Melhor: </b>
– A ligação da barragem do Alqueva ao Roxo. O sonho concretizou-se no passado dia 7 de Julho. A grande barragem-mãe do Sul já chega ao Roxo para alívio das populações dos concelhos de Aljustrel e de Beja. Embora a água seja um recurso precioso e escasso, dificilmente no futuro conheceremos as carências grandes que vivemos em períodos de seca e que tanto afectou populações e agricultores;
– O trabalho incansável dos nossos bombeiros, membros da protecção civil, militares, autarcas e muitos cidadãos anónimos que de forma louvável, a todos os níveis, se bateram contra o fogo que nos consumia enquanto muitos portugueses desfrutavam das merecidas férias à beira-mar. Aos que morreram nessa luta presto homenagem. Aos restantes dirijo cumprimentos;
– O trabalho de resgate dos mineiros presos no fundo do Chile. A coragem e a vontade dos homens no fundo, bem como a força e a entrega de quem à superfície os tenta resgatar, merecem nota máxima de admiração. Agora falta chegar aquele dia de Novembro que todos aguardamos. Agora falta assistirmos a 33 finais felizes. Muito bem as autoridades e as equipas de resgate chilenas;
– A BejaWineNight. Envolta nalguma polémica de reduzido sentido. Foi o melhor e mais marcante acontecimento da cidade de Beja dos últimos anos. Pegou de estaca logo à primeira. Um marco de grande qualidade para promover e vender a nossa região no exterior;
– A contratação do guarda-redes Roberto, por mais de 8 milhões de euros (!), pelo Benfica. Como sportinguista confesso que sempre que sei que ele alinha, não perco um jogo do “glorioso”!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima