A verdade

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Paulo Geraldo

professor de língua portuguesa

Os direitos das crianças, os direitos das mulheres, os direitos das minorias. Os meus direitos, os teus direitos, os nossos direitos, os direitos de todos. O direito ao bom nome, o direito à livre expressão, os direitos de autor. O direito de ter direitos.
O estojo onde me sinto confortável, o teu ninho de comodidade.
Estás à beira da estrada e eu vou.
Anoitece. A vida é lenta, lenta.
Páro a teu lado, mas não deves ter receio:
Sei o que há dentro de um homem que se senta.

Quem amaste não veio e já nem sabes
Se há o lugar aonde ias no teu passo.
E eu cheguei talvez para que possas
Encostar no meu ombro o teu cansaço.

Mas não posso mentir. Na minha voz
Não se esconde o desejo de enganar:
Não há lugar algum… Só podes ir.
Antes da morte não há nenhum lugar.

Eu sou o cavaleiro e nunca minto.
Venho de longe, vi o mundo inteiro
E nada vi além deste caminho.
O que te digo é exacto e verdadeiro:

Nenhuma casa será a tua casa…
Nas tuas mãos as rédeas e mais nada.
Mas eu cheguei talvez para dizer-te
Que é também muito belo andar na estrada.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima