Câmara de Castro Verde avalia apoio psicológico a colegas do rapaz falecido em Lloret del Mar

Câmara de Castro Verde avalia apoio psicológico a colegas do rapaz falecido em Lloret del Mar

A Câmara de Castro Verde realiza na quarta-feira duas reuniões para avaliar a necessidade de acompanhamento psicológico dos 21 colegas do rapaz que morreu no domingo em Lloret del Mar (Espanha) e que já regressaram a casa.
A autarquia "está a avaliar a situação" e na quarta-feira "vai promover duas reuniões", uma com os alunos e outra com os pais, sendo que ambas contarão com a presença de uma psicóloga do Conservatório Regional do Baixo Alentejo, disse hoje à agência Lusa o presidente do município, Francisco Duarte.
Após as reuniões, o município e a psicóloga irão "avaliar o que é necessário fazer", nomeadamente "se os alunos precisam de ajuda e que tipo de ajuda poderá ser dada", explicou.
Posteriormente, adiantou, o município irá "cruzar as eventuais necessidades de apoio psicológico" de jovens "com as disponibilidades do Ministério da Educação, que, desde o início, se mostrou disponível para colaborar com a autarquia".
O jovem, de 17 anos, morreu após ter caído da janela do quinto andar do empreendimento hoteleiro em que estava alojado, em Lloret del Mar, onde estava em viagem de finalistas do 12.º ano da Escola Secundária de Castro Verde, com outros 21 colegas.
Os colegas do jovem já estão em casa, após terem regressado a Portugal na segunda-feira à noite, em dois voos provenientes de Barcelona, sendo que as viagens de 20 deles foram pagas pelo município de Castro Verde.
Após terem aterrado no aeroporto de Lisboa, os 20 jovens que chegaram no primeiro voo foram recebidos por Francisco Duarte e depois viajaram num autocarro da autarquia até Castro Verde, onde chegaram por volta das 00:00 e foram "imediatamente entregues aos pais".
Um outro aluno chegou a Lisboa num segundo voo e viajou até Castro Verde sempre acompanhado pelos pais, explicou o autarca.
Os jovens estavam "naturalmente traumatizados e também notei um grande cansaço físico, porque praticamente não dormiam desde que tinham saído de Castro Verde", na passada sexta-feira, disse Francisco Duarte.
"Primeiro foi a viagem, depois a primeira noite em Lloret de Mar, no sábado, e a seguir o acontecimento trágico, no domingo à noite, portanto, praticamente não tinham dormido e estavam fisicamente bastante cansados", contou, desejando "que recuperem rapidamente".
O inquérito policial preliminar sobre a morte do jovem vai ser entregue nas próximas horas ao juiz de instrução do caso, disseram à Lusa fontes policiais espanholas.
Só depois de analisar as conclusões vertidas no inquérito, que está em segredo de justiça, é que o juiz determinará se são necessários mais inquéritos policiais ou se pode ser dada a ordem de autópsia, explicou uma fonte policial, acrescentando que "ainda não há calendário para esse processo".
Na segunda-feira, uma fonte dos Mossos d’Esquadra, a polícia autonómica da Catalunha, disse à Lusa que as duas hipóteses avaliadas pelos investigadores eram queda acidental ou suicídio.
Os investigadores "descartam a hipótese de uma morte violenta, de origem criminosa" ou que se tenha tratado de um caso de ‘balconing’, prática de jovens que se atiram das janelas e varandas dos hotéis para as piscinas, tanto mais que o jovem caiu de uma varanda do hotel que dava para uma rua estreita.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima