CM Odemira cancela eventos até Junho

CM Odemira cancela

A Câmara de Odemira adoptou novas medidas de prevenção e combate ao surto do coronavírus Covid-19 que se verifica em Portugal, tendo igualmente decidido garantir a remuneração total de todos os seus trabalhadores.
Em comunicado, a autarquia revela ter avançado, na segunda-feira, 16, com novas “medidas de organização interna e medidas complementares de prevenção”, que passam “pelo recurso ao tele-trabalho e definição de serviços mínimos, sendo garantida a totalidade da remuneração a todos os trabalhadores”.
A par disto, foram suspensas “todas as iniciativas desportivas, culturais, recreativas até ao final de Junho”, entre as quais as comemorações do 25 de Abril, as Festas de Maio em Amoreiras-Gare, a Feira do Turismo Activo (FEITUR) em Vila Nova de Milfontes ou o Festival de Marchas de Odemira.
O executivo liderado por José Alberto Guerreiro decidiu ainda, para “salvaguardar a saúde dos trabalhadores e de todos os que com estes contactam”, encerrar os serviços municipais, “com excepção dos considerados indispensáveis para assegurar a prossecução inadiável das atribuições e competências municipais essenciais”, e recorrer ao tele-trabalho sempre que possível, “mantendo-se os trabalhadores disponíveis durante o habitual período normal de trabalho”.
Já as actividades consideradas “essenciais” e em que não seja possível o recurso ao tele-trabalho serão “garantidas através da implementação de medidas de rotatividade e/ou desfasamento de horários, salvaguardando todas as medidas profiláticas aplicáveis por orientação da Direcção Geral de Saúde”.
Entretanto, e em declarações ao jornal “Público”, o autarca José Alberto Guerreiro anunciou ainda que a Câmara de Odemira tem preparado um plano de prevenção para situações de quarentena, onde se inclui a disponibilidade de vários espaços no concelho para albergar até 500 pessoas, nomeadamente os imigrantes que trabalham na agricultura.
“A autarquia tem disponíveis equipamentos públicos com dimensão e condições para alojamento e banhos, como pavilhões desportivos e multiusos”, referiu o autarca, indicando que esses equipamentos ficam em Vila Nova de Milfontes, Odemira, São Teotónio e Boavista dos Pinheiros.
Ainda ao “Público” José Alberto Guerreiro mostrou-se preocupado com os grupos de migrantes que continuam a juntar-se nas ruas da vila de Odemira e de outros pontos do concelho, muitos deles sem saber uma palavra de português ou inglês.
“Não temos a garantia de que conheçam a necessidade de se recolher”, por isso “já comunicámos a todas as entidades de segurança e temos feito campanhas de informação através da Comissão Municipal de Integração de Migrantes”, observou.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima