Cercicoa faz aposta na descentralização

Cercicoa faz aposta

Maior descentralização e mais serviços de proximidade: são estas as prioridades definidas pelo presidente da Cercicoa para os próximos três anos. António Matias foi reeleito presidente da Cooperativa de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas e Solidariedade Social dos Concelhos de Castro Verde, Ourique e Almodôvar há cerca de um mês e garante que a sua equipa vai, até 2020, apostar na descentralização, através de “uma crescente oferta de serviços de proximidade e, sobretudo, na aproximação das respostas sociais às comunidades locais”.
A nossa acção “deverá continuar a ser orientada para a inovação e melhoria contínua dos serviços, para a promoção da actualização e adequação às necessidades dos cidadãos, bem como na continuidade da aposta de uma oferta de reconhecida qualidade”, afiança Matias em declarações ao “CA”.
Nesse sentido, o presidente da Cercicoa lembra que “estão em curso um conjunto de projectos que, a concretizarem-se, irão melhorar substancialmente o paradigma da reabilitação neste território”. “O nosso objectivo é descongestionar as instalações de Almodôvar e promover ofertas nos outros concelhos – Ourique e Castro Verde – em diversas valências, principalmente acolhimento residencial, actividades ocupacionais, formação profissional e reabilitação funcional”, explica.
Paralelamente, e por ser uma ONGPD – Organização Não Governamental para Pessoas com Deficiência, a Cercicoa ambiciona ainda pretende “assegurar que as pessoas que recorrem à instituição têm a garantia de obtenção de uma resposta adequada, de um encaminhamento credível e de um atendimento de qualidade”.
Em matéria de investimentos, há três que surgem no horizonte da Cercicoa. O mais adiantado é o do futuro Centro de Actividades Ocupacionais, a instalar na aldeia dos Grandaços (concelho de Ourique), num edifício cedido pela Câmara Municipal.
“A operação compreende a adaptação das instalações e aquisição de equipamento, e implica um investimento de cerca de 65 mi euros, que já está em curso. Deverá abrir durante o ano de 2018”, adianta António Matias.
Também em Ourique, mas na sede de concelho, deverá surgir, em 2019, um novo lar-residencial da Cercicoa. O investimento está avaliado em cerca de 500 mil euros e visa a adaptação de uma unidade hoteleira em centro de acolhimento de pessoas com deficiência e incapacidade.
“Já está realizada uma despesa de 350 mil euros, decorrendo neste momento a componente de projecção das adaptações para obtenção do restante financiamento através de fundos comunitários”, adianta o presidente da instituição.
Mais atrasado está o projecto das residências autónomas de Castro Verde. “Está concluído o projecto de arquitectura e estamos a trabalhar nas especialidades para assegurar a necessária maturidade do processo para candidatar a fundos comunitários”, sublinha António Matias, sem adiantar uma data para o início do investimento.
A par de de tudo isto, a Cercicoa deverá criar, ainda neste ano, uma nova resposta social e qualificar a proximidade das ofertas no âmbito da reabilitação, depois de ter sido reconhecida pelo Instituto Nacional para a Reabilitação como CAVI – Centro de Apoio à Vida Independente.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima