Cartas de Mariana reeditadas em livro

Cartas de Mariana

A editora Alêtheia acaba de publicar Cartas de uma religiosa portuguesa, em que colige as cinco cartas atribuídas à freira bejense Mariana Alcoforado.
Reza a história que as cartas terão sido enviadas pela religiosa a um oficial do Exército francês, acabando por publicadas em Paris no ano de 1669.
Nesta edição da Alêtheia as cartas são acompanhadas por uma introdução de Sofia d’Oliveira, na qual é colocada a questão da autoria que suscitou várias dúvidas, nomeadamente a Jean-Jacques Rousseau, que afirmou que as mulheres “não sabem descrever ou sentir o amor” e apostou que estas tinham sido escritas por um homem.
Mariana Alcoforado deu entrada, aos 11 anos, no convento de Nossa Senhora da Conceição, em Beja, e ter-se-á apaixonado pelo oficial do Exército francês Nouel Boton a quem franqueou a entrada na sua clausura.
Esta transgressão causou escândalo e o militar teve de fugir para Paris, prometendo vir buscar Mariana que lhe escreveu cartas que “começam com palavras de esperança e depois acabam em incerteza e abandono”, escreve Sofia d’Oliveira.
As cartas, lê-se na introdução, “ficariam para sempre para a história da literatura mundial como um clássico das paixões impossíveis e desesperadas”.
Mariana foi entretanto nomeada abadessa, tendo morrido, em 1740, aos 83 anos.
Estas cartas deram origem a várias peças de teatro e até a poemas e fados como “Sina das Marianas”, de João Linhares Barbosa, do repertório de Mariana Silva.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima