Bombeiros Voluntários de Alvito com dificuldades económicas

Bombeiros Voluntários de Alvito com dificuldades económicas

Os Bombeiros Voluntários de Alvito atravessam dificuldades financeiras e, devido à diminuição de serviços, já tiveram que contrair um empréstimo para pagar dívidas e admitem dispensar pessoal, o que poderá pôr "em causa" o socorro à população.
"Estamos com dificuldades financeiras", devido ao "problema grave da redução de serviços", sobretudo de transporte de doentes, disse à Agência Lusa o presidente da direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alvito, António Valério.
Em 2011, os bombeiros de Alvito registaram "uma redução de 22,6% nos serviços prestados, o que tem tido consequências inevitáveis na disponibilidade financeira e de tesouraria" da associação, explicou.
Por outro lado, a verba que a associação recebe da Câmara de Alvito, que era "muito significativa", foi reduzida em 30 mil euros, disse, explicando que a autarquia foi "obrigada" a diminuir a ajuda, devido ao corte nas transferências do Orçamento do Estado para o Município.
No âmbito de medidas para reduzir as despesas e aumentar as receitas, a associação "poderá ser obrigada a dispensar trabalhadores que fazem falta", nomeadamente três contratados a prazo e cujos contratos terminam no próximo mês de Março e provavelmente não serão renovados.
"Se não houver melhorias na situação financeira, teremos mesmo que reduzir o pessoal para conseguirmos equilibrar as receitas e as despesas. Não há outra solução", disse, alertando que a medida, a concretizar-se, poderá provocar "outros problemas", nomeadamente ao nível do socorro às populações, que "poderá ser posto em causa".
Segundo o responsável, "a garantia de 100 por cento de cobertura da segurança da comunidade" do concelho de Alvito "poderá ser posta em causa com a medida de redução do pessoal".
No entanto, frisou, a direcção da associação e o comando dos bombeiros de Alvito "estão a pensar em reactivar o voluntariado, como uma das hipóteses para solucionar o problema".
Devido à situação financeira, a associação também foi "obrigada" a contrair, no passado mês de Dezembro, um empréstimo de 30 mil euros junto da banca, para poder "regularizar as dívidas" que tinha, afirmou.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima