Bejense António Zambujo chega às bancas com novo disco

Bejense António Zambujo chega às bancas com novo disco

"Uma confirmação dos caminhos musicais já trilhados e sente-se uma ligeira aproximação ao fado" – é desta forma que o bejense António Zambujo define "Quinto", o seu quinto disco que é posto à venda esta segunda-feira, 2.
"Quinto" integra 14 temas, metade deles gravados ao vivo em Janeiro, no Centro de Artes de Sines.
Quase todas as letras e composições são originais, mas há também alguns fados tradicionais como o "Triplicado", o "Noquinhas" ou o "Zeca", para os quais "a ideia foi desconstruí-los para os interpretar de uma nova forma e com letras actuais”, disse à Agência Lusa o fadista natural de Beja.
António Zambujo garantiu igualmente que o triângulo musical formado pelo Alentejo, Brasil e o fado "é para manter" e, neste sentido, este CD "é uma confirmação de caminhos trilhados", mas "em termos de influências haverá sempre adições e nunca subtracções".
O álbum, com a chancela da Universal Music, mantém na equipa autoral nomes que anteriormente colaboraram com o músico como Maria do Rosário Pedreira, João Monge, Ricardo Cruz, Rodrigo Maranhão, Márcio Faraco e José Eduardo Agualusa e um estreante, Pedro da Silva Martins, dos Deolinda, que assina "Queria conhecer-te um dia" e "Algo estranho aconteceu".
Referindo-se aos autores habituais, Zambujo disse: "Temos todos uma relação saudável, eles conhecem bem a minha maneira de cantar e as temáticas que eu gosto".
António Zambujo, por seu turno, assina a música de "Flagrante", com letra de Rosário Pedreira, e "Noite estrelada", de João Monge.
Questionado sobre a escolha do tema "Na rua dos meus ciúmes", que Helena Tavares criou no teatro de revista há mais de quatro décadas, António Zambujo justificou que "surgiu quase por brincadeira, e insere-se naquela ideia de retomar algumas cosias, correspondendo este tema de Nélson de Barros e Frederico Valério a uma época fantástica não só em Portugal como todo o mundo lusófono".
"Foi aliás graças a nomes dessa época como o Max e o Tristão da Silva, que me apaixonei pelo fado", acrescentou.
"Quinto" chega às lojas esta segunda-feira e é apresentado ao vivo no dia 24 de Abril, no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.
Todavia, António Zambujo, nos diferentes palcos nacionais e internacionais para os quais já tinha datas agendadas, continuará a apresentar o antecessor álbum, "Guia".
"Voltaremos ao ‘Quinto’ só depois do Verão", disse António Zambujo que conta ainda apresentar o álbum "em alguns concertos promocionais", sendo que no caso de Beja ainda não existe qualquer data definida.
"Quinto" volta a ser produzido pelo contrabaixista Ricardo Cruz, que produziu os dois anteriores álbuns do intérprete de "Primeiro Beijo", e conta com a participação, entre outros, dos músicos Bernardo Couto e Luís Guerreiro, na guitarra portuguesa, Carlos Manuel Proença, na viola, José Miguel Conde, em clarinete, André Conde, em trombone, Jon Luz, em cavaquinho, Ricardo Cruz, em contrabaixo e baixo, além de Zambujo que se acompanha em alguns temas, como acontece nos concertos.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima