Basílica de Castro Verde sem restauro no horizonte

Basílica de Castro Verde

As obras de requalificação da Basílica Real de Castro Verde são cada vez mais necessárias, mas a sua execução está muito longe de tornar-se realidade. O projecto deveria ter sido candidatado a fundos comunitários através do programa operacional Alentejo 2020, mas o prazo do aviso de concurso terminou no passado dia 27 de Julho sem a apresentação de qualquer candidatura relativa ao monumento, classificado como Imóvel de Interesse Público, inviabilizando assim qualquer tipo de intervenção no local a curto prazo.
De acordo com o director do Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA) da Diocese de Beja, o projecto estava a ser trabalhado “há ano e meio”, envolvendo a Diocese, a Paróquia de Castro Verde, a Câmara Municipal, a Direcção Regional de Cultura do Alentejo e a Associação de Desenvolvimento Regional Portas do Território e com o apoio do Atelier Bugio.
“Progredia com normalidade todo este processo quando ocorreram inadvertidamente obras em monumentos religiosos de distintos locais do concelho que não se revelaram adequadas para a preservação do património cultural e levaram a um compasso de espera, para clarificar que tipo de intervenção se iria preconizar para a Basílica Real”, explica ao “CA” José António Falcão.
Este “compasso de espera” acabou por redundar na não apresentação da candidatura ao Alentejo 2020. O processo está agora parado, mas José António Falcão acredita que possa em breve avançar.
“As diferentes entidades estão a tentar reconstituir as peças do ‘puzzle’ e ver como e em que altura será possível apresentar uma nova candidatura. O trabalho prévio é lento e urge recomeçar, principiando, desde logo, pelo que ficou no limbo, ou seja, os protocolos entre a Paróquia, a Câmara Municipal, a Direcção Regional de Cultura e a Associação Portas do Território”, diz o director do DPHA. “Há que assumir, entre todos, uma metodologia de intervenção adequada às actuais circunstâncias, algo que não se compadece com improvisos”, acrescenta.
José António Falcão lembra que o restauro da Basílica Real de Castro Verde “é uma intervenção muito complexa do ponto de vista técnico” e “requer um financiamento elevado”. “Daí o esforço que se fez, ao longo de anos, para construir uma parceria sólida com o Município e o Estado. Hoje, a recuperação do património religioso assenta fundamentalmente nesta capacidade de se criar uma dinâmica entre instituições, tendo em vista a cooperação técnica e financeira. Não creio que haja outra alternativa. Em Castro Verde estava a ser trilhado o caminho certo. Oxalá seja agora possível continuar, quanto antes, esse percurso”, conclui.

Inverno agravou problemas
O estado de degradação da Basílica Real de Castro Verde é bastante elevado e o director do DPHA reconhece que o último Inverno agravou a situação.
“Não é preciso ser-se especialista para observar isto a olho nu. Atingiu-se o fim da linha. O tecto que representa o Milagre de Ourique, uma das obras-primas do barroco português, as pinturas murais, os azulejos do famoso mestre PMP, para citar apenas alguns sectores fulcrais, encontram-se em risco”, explica José António Falcão.
Para este responsável, “se nada for feito, é inevitável que o monumento acabe por ter de ser encerrado ao culto e aos visitantes, por motivos de segurança”. “Já imaginou o que pode suceder se cair uma tábua ou uma telha de muitos metros de altura?”, questiona em tom de alerta.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima