Baixo Alentejo é área prioritária para apoios no combate à desertificação

O Baixo Alentejo surge como área prioritária de nível B no novo aviso-concurso dos EEA Grants, que tem uma dotação total de pouco mais de 1,2 milhões de euros e visa financiar projetos de combate à desertificação.

Segundo adianta o Ministério do Ambiente e da Ação Climática (MAAC), as candidaturas estão abertas até 18 de janeiro de 2022, “sendo elegíveis entidades promotoras públicas ou privadas, comerciais ou não comerciais, e as organizações não governamentais legalmente estabelecidas como pessoas coletivas em Portugal”.

O Baixo Alentejo surge entre as áreas prioritárias de nível B, “em função da degradação dos solospor índice de aridez”, juntamente com o Alentejo Central e o Algarve.

Trás-os-Montes, Douro, Beiras e Serra da Estrela são áreas prioritárias de nível A, enquanto Beira Baixa e Alto Alentejo são áreas prioritárias de nível C.

O MAAC revela que a reprogramação do mecanismo financeiro do espaço económico europeu para 2014-2021 “permitiu o reforço de dotação em um milhão de euros e o lançamento deste novo aviso, no âmbito do ‘Programa Ambiente, alterações climáticas e economia de baixo carbono’”.

Recorde-se que os EEA Grants são financiados por Islândia, Liechtenstein e Noruega, tendo como objetivo “reduzir as disparidades sociais e económicas na Europa e reforçar as relações bilaterais com os estados beneficiários”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima