Baixo Alentejo com 94% do território “suscetível à desertificação”

Agricultura - gado Campo Branco

Cerca de 94% do território do Baixo Alentejo “é suscetível à desertificação” devido às alteações climáticas e ao uso intensivo dos solos, revela um estudo apresentado, na sexta-feira, 17, em Beja, pela Universidade Nova de Lisboa.

“Chegamos a este resultado através de um sistema de indicadores que tem em conta uma série de parâmetros, como a qualidade do solo, do clima e da vegetação”, explica Maria José Roxo, uma das autoras do estudo, realizado por uma equipa da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH).

De acordo com o estudo, “cerca de 94% da NUTS [Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos] Baixo Alentejo é suscetível à desertificação”, sendo que “a região de Mértola regista mesmo 96% de suscetibilidade a este fenómeno”.

O estudo revela ainda que na NUTS Baixo Alentejo, que abrange 13 dos 14 concelhos do distrito de Beja (a exceção é Odemira), 38% do seu território tem “suscetibilidade crítica à desertificação, 35% [é] muito elevada e 21% elevada”.

Segundo Maria José Roxo, no Baixo Alentejo tem-se verificado, nos últimos anos, “uma dinâmica muito grande de modificações dos solos, com as culturas intensivas e superintensivas ou, nos concelhos de Mértola e de Serpa, a introdução de gado”.

A investigadora da NOVA FCSH explica ainda que a suscetibilidade do Baixo Alentejo à desertificação está relacionada, por um lado, com a “mudança climática” dos últimos anos, com “temperaturas muito mais elevadas e chuvas muito mais intensas, que provocam a erosão de solos”.

Por outro lado, continua, e no que toca à produção agrícola, em muitas áreas “não se está a fazer as coisas como deve ser”.

“Não sou contra os olivais, amendoais ou outras culturas intensivas, mas é preciso saber fazer. […] Temos problemas de desidratação de solos herdados das campanhas dos cereais do Estado Novo e o que estamos a fazer neste momento é colocar o território em monocultura e isso é novamente um erro”, frisa.

Para mitigar estes problemas, Maria José Roxo apontou “duas medidas cruciais”.

“Uma delas tem a ver com a necessidade de conservar solos e água, para ter maior resiliência às secas e à aridez”, explica, acrescentando que isso se faz “com técnicas muito bem conhecidas, como sementeira direta, lavrar em curvas de nível ou deixar, nas culturas intensivas, relvados entre as filas de árvores”.

A par disso, são necessárias alterações na Política Agrícola Comum (PAC), que, diz, chega a Portugal “muito formatada em relação àquilo que é o Norte da Europa e às características de outros países”.

“A PAC tem de ter em conta as nossas [de Portugal] especificidades e […], por isso, os políticos têm de vir mais para o terreno”, conclui.

Opinião

Carlos Pinto

7 de Junho, 2024

O problema da imigração

Napoleão Mira

7 de Junho, 2024

Mestre Vargas, Um Barbeiro Invulgar

Carlos Pinto

24 de Maio, 2024

Tensão extrema!

Vitor Encarnação

24 de Maio, 2024

Sábado à noite

Carlos Pinto

10 de Maio, 2024

O futuro dos Bombeiros!

Napoleão Mira

10 de Maio, 2024

A Alquimia das Favas

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima