Autarca de Alcácer do Sal contra agregação de municípios

Autarca de Alcácer do Sal

O presidente da Câmara de Alcácer do Sal, Vitor Proença, considera a agregação de municípios uma nova frente de ataque do Governo ao Poder Local, da qual a Associação Nacional de Municípios (ANMP) não deve ser cúmplice.
“O actual Governo abriu uma nova frente no ataque ao poder local”, diz Vitor Proença (PCP), referindo-se à intenção de agregação de municípios prevista no guião com orientações para a reforma do Estado.
Para o autarca trata-se de “uma intenção completamente despropositada” e que “em nada contribuirá para vencer a crise”, tendo defendido que os municípios, que este fim-de-semana reuniram no XXI Congresso da ANMP, “devem rejeitar” a proposta do Governo.
De acordo com Vitor Proença “a real intenção do Governo é o empobrecimento democrático, a liquidação da capacidade reivindicativa da população, o agravamento das desigualdades, o maior abandono das populações e o acentuar da desertificação”.
Por isso, defende, a ANMP e os municípios “não podem ser cúmplices” nem contribuir para “entreabrir de uma porta para a extinção de qualquer município deste país”.
Convicto de que o Governo vai recorrer a uma “campanha de mistificação, que vai recorrer a falsos argumentos para justificar o injustificável” o autarca concluiu a intervenção apelando ao congresso que rejeite “de forma clara a agregação de municípios”, mesmo quando “aliciados com presentes envenenados como o tratamento preferencial no acesso a linhas de crédito, no apoio a projectos ou majorações do Fundo de Garantia Municipal”.
Segundo o guião com orientações para a reforma do Estado aprovado pelo Governo, o Executivo quer a agregação de municípios, como forma de continuação da reforma administrativa do território iniciada com as freguesias.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima