Artista colombiano expõe na Fundação Eugénio de Almeida

Artista colombiano expõe

“Projecto para um Memorial” é o título da nova exposição patente no Fórum Eugénio de Almeida, em Évora, até 29 de Junho, que dá a conhecer duas obras destacadas do artista colombiano Oscar Muñoz.
A iniciativa, promovida pela Fundação Eugénio de Almeida (FEA), tem como peça central a instalação que dá o nome à mostra individual, “Projecto para um Memorial”, de 2005.
A entidade promotora explica tratar-se de uma obra, uma vídeo-instalação, que “aborda os processos de lembrança e esquecimento, tanto em contextos históricos como individuais”.
O trabalho “regista o processo de construção de retratos de pessoas concretas, criados a partir de fotos encontradas em obituários, personificações da violência das grandes cidades, mediante a pintura com água sobre uma pedra ao sol”, revela a FEA.
“Antes mesmo de terminado o retrato, os traços de água começam a desaparecer pelo efeito do calor e, simultaneamente, as outras mãos nos outros vídeos continuam a pintar outros retratos”, acrescenta.
A criação artística de Muñoz, “num mundo de desaparecimentos constantes e da imagem como força de preservação”, continua a FEA, “revela-se como uma espécie de activismo pelo quotidiano e suas políticas esféricas”.
A realidade e ficção, assim como a presença e ausência, são igualmente objecto de análise por parte do artista colombiano na outra obra exposta em Évora, intitulada “O olhar do Ciclope” (2002).
Trata-se de uma série fotográfica que “problematiza as questões do retrato e da técnica de visualização”, abordando “o dualismo entre imagens mentais (lembranças) e físicas (imagens materializadas)”.
“Muñoz chama a atenção para a analogia entre imagem e corpo presente na máscara-retrato. Como num processo de luto, a máscara vazia gera uma ilusão de volume e, desta forma, uma proximidade com a ‘realidade’ do corpo que representa e da sua permanência como imagem”, explica a fundação.
Oscar Muñoz, nascido em 1951, é um nome de “grande prestígio” no contexto da arte contemporânea internacional, segundo a entidade organizadora da exposição, que tem como curadora Claudia Giannetti.
O artista formou-se, em 1971, na Escola de Belas Artes de Cali (Colômbia), onde continua a viver e trabalhar.
Ao longo de mais de 20 anos, Muñoz tem produzido trabalhos que investigam a natureza da representação por meio de técnicas de impressão fotográfica e mecânicas pouco ortodoxas, bem como através de obras que recorrem ao suporte vídeo.
“Muitas vezes, essas imagens são criadas usando materiais inusitados e instáveis como a respiração humana, água, luz, cera e pó”, para “chamar a atenção para a precariedade da vida humana, o narcisismo e altruísmo”, refere a FEA.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

DECO promove atendimento em Odemira

Esclarecer dúvidas sobre os direitos do consumidor em diversas áreas é o grande objetivo das sessões gratuitas de atendimento que a DECO – Associação Portuguesa

Role para cima