Aljustrelense e Moura AC contestam descida de divisão

Mineiro Aljustrelense e Moura AC estão entre os 25 clubes do Campeonato de Portugal que querem impedir a homologação das classificações das várias séries da competição e, desta forma, impedir a sua despromoção aos campeonatos distritais.

Em causa está o aditamento do artigo 11.º-A do regulamento do Campeonato de Portugal, que veio permitir, a meio da época, a desistência dos clubes em circunstâncias relacionadas com a Covid-19.

Segundo o grupo dos 25 clubes, este aditamento prevê, entre outras, a possibilidade do clube, encontrando-se a disputar a primeira volta da primeira fase da prova e sendo impedido de participar por imposição administrativa ou legal decretada por mais de 60 dias ininterruptos relacionada coma emergência de saúde publica ocasionada pela doença Covid-19, poder desistir da mesma, “considerando-se tal desistência justificada”.

Em comunicado, os clubes subscritores argumentam que “esta alteração ao regulamento veio criar um fosso de injustiça que encobre de forma grave a verdade desportiva e a integridade da competição”.

“Esta alteração a não ser repensada, vai permitir clamorosamente a manutenção dos clubes desistentes no Campeonato de Portugal, sem nunca terem jogado e cumprido as suas obrigações, designadamente as obrigações salariais e penalizar os clubes que disputaram e salvaram o campeonato e a competição, jogando todos os jogos, e cumprindo o respetivo calendário, à custa do seu esforço financeiro”, acrescentam.

No comunicado, intitulado “O Campeonato da Mentira e o Assalto da ‘Super Distrital’”, Mineiro Aljustrelense, Moura AC e os restantes emblemas subscritores garantem que irão“lutar até às últimas consequências pela reposição da verdade desportiva” e “interpelar a FPF e todas as instituições desportivas e institucionais, manifestando a sua posição de não estarem disponíveis para aceitarem aquelas alterações regulamentares e as consequências graves que as mesmas irão causar”.

Os clubes vão mais longe e acusam a própria FPF de não salvaguardar“a verdade desportiva”, nem proteger os clubes que, na presente época,“permitiram a continuidade do campeonato e a integridade da competição”, “privilegiando antes pelo contrário os clubes que optaram pela desistência”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima