12h43 - quinta, 23/07/2020

No verão


Vítor Encarnação
No verão, quase em agosto, escrevo sobre nada. O meu corpo, alma incluída, é um bloco monolítico, um mono sentado a uma mesa a comer sardinhas assadas com os dedos lambuzados de gordura, cuspindo uma espinha para a borda do prato.
De facto, o texto escrito no verão é um conjunto de palavras imersas num mar de preguiça, sem nexo, aleatórias, que não se conhecem de lado nenhum, como se fossem pessoas que se levantam da toalha e vão umas atrás das outras passear à beira do mar, de molhe a molhe da praia. São palavras gordas, palavras magras, obesas, musculadas, para trás e para a frente, palavras com filhos pela mão, com filhos às cavalitas, palavras montadas no dorso de uma prancha de madeira que desliza na lâmina de água que fica, palavras que ficam à babugem do desejo de um corpo que passa, palavras com calções às flores, justos, largos, na moda, todos os anos os mesmos, palavras velhas, novas, biquínis que de tão pequenos são monossilábicos, palavras boazonas, palavras de grandes barrigas, palavras inglesas e alemãs, palavras com sabor a bolas sem creme, palavras descalças, enterradas na areia, achando conchas para enfeitar um alegrete no Alentejo, palavras desnorteadas como tainhas pequenas, frágeis como castelos de areia, frias como gelados, efémeras como espuma, sumarentas como ameixas vermelhas, palavras que cozem ao sol, enfiadas em chinelos de plástico, palavras que são uma bola verde a conversar com duas raquetas de madeira, palavras que dizem mal de uma cunhada, bem do filho que passou de ano, dizendo que já não aguentam o casamento, que ele bebe cada vez mais, que ela tem mais celulite do que no ano passado, dizendo que crescido que ele está, palavras lisboetas e nortenhas que por rios de alcatrão vieram desaguar a esta praia, palavras afogadas, falsas, pensando que a mulher do colega tem um corpo do caraças, palavras que dormem debaixo de chapéus de sol, palavras fechadas dentro de geleiras enroladas em prata ou película aderente, palavras pequenas molhadas que os pais enrolam em toalhas e a quem dão duas bolachas Maria ou um iogurte com pedaços de morango, palavras que são nortadas da parte da tarde, palavras que têm motores como barcos, silêncios como velas, asas como avionetas amarelas, asas como baldes, cabos de pás, cabos de mar, palavras que têm medo de peixes-aranha, que trazem sal nos olhos, que nadam de bruços, palavras que significam duas vezes gaivota, a dos ares e peixes nos bicos e aquelas das águas com pés nos pedais, palavras que se fumam, apagam e enterram na areia com o indicador, a mais das vezes o direito, palavras que vão ao bar beber uma cerveja com espuma de mar, palavras que são medalhas de bronze que se recebem na pele por mais um ano de sacrifício, palavras que ao fim da tarde passeiam cães pela trela.
Os cães escrevem quatro palavras de cada vez quando andam.
Se eu fosse cão teria escrito mais depressa e talvez não se notasse tanto que este texto foi apenas uma maré vazia.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 07/08/2020
Executivo da CM Beja
rejeita críticas da CDU
O executivo socialista da Câmara de Beja veio a público manifestar-se "surpreendido" com a posição pública dos vereadores da CDU relativamente ao Museu de Banda Desenhada em Beja, garantindo "que nunca houve qualquer volte-face do executivo nesta matéria".
07h00 - sexta, 07/08/2020
CM Aljustrel apresenta contributos
para Plano de Recuperação Económica
A Câmara de Aljustrel já entregou os seus contributos para o Plano de Acção no âmbito da estratégia para o Plano de Recuperação Económica de Portugal (PREP) 2020-2030, delineado por António Costa da Silva a pedido do Governo.
07h00 - sexta, 07/08/2020
Seca "dramática"
afecta lavoura
no Campo Branco
A lavoura no Campo Branco, onde imperam as culturas de sequeiro e a pecuária, vive "dias difíceis".
07h00 - sexta, 07/08/2020
Verão animado no
concelho de Odemira
Música, teatro, espectáculos de rua e actuações online vão animar este ano a época de Verão no concelho de Odemira, no âmbito do programa cultural "Animar o Verão", promovido pela Câmara Municipal local em parceria com as juntas de freguesia.
07h00 - quinta, 06/08/2020
Distrito de Beja
em Alerta Vermelho
O distrito de Beja está em situação de Alerta Vermelha até às 23h59 desta sexta-feira, 7, devido às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para um significativo agravamento do risco de incêndio rural.

Data: 07/08/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial