16h47 - quinta, 25/07/2019

Memórias de uma noite de verão


José F. Encarnação
Verão de 1978... ou 77, ou 79... para o caso não é muito importante... O local é Val d'Oca, bairro mineiro em Aljustrel. Por volta das 9 da noite (sim porque nessa época ainda não dizíamos 21h), à esquina do meu bairro juntavam-se uma série de miúdos, dos oito aos 15, 16 anos. O dia tinha sido quente, daqueles em que até respirar nos fazia transpirar... nada que uma ida à represa da mina não resolvesse! Claro que para uns não havia problemas, mas para muitos o pior era chegar a casa com os calções ainda molhados e tentar explicar à mãe o inexplicável, que não, não tinha ido para a represa, que tinha sido no tanque... nada que uns bons açoites e a promessa nunca cumprida de não voltar à represa sem a sua companhia não resolvesse.
Primeira paragem: a porta do ti António Zé Galope. Um contador de histórias que nos conseguia transportar para aqueles locais maravilhosos que só ele conseguia transmitir, que nos levava a acreditar piamente que os índios eram mesmo os maus e que os cowboys nunca morriam. Uns, sentados no lancil (o que agora pomposamente se chama passeio), outros deitados nesse mesmo local, os mais velhos encostados à parede, outros ainda deambulando para cima e para baixo, antevendo o que viria depois, mas todos, sem excepção, presos à narrativa maravilhosa daquele homem que, qual Sherazade, nos entretia noite após noite.
Após mais uma das intermináveis histórias, era tempo de nos juntarmos todos na esquina e passar à fase seguinte, ou seja, começar a fazer as equipas para jogarmos "à Rolha". Para quem não sabe, passo a explicar. A "Rolha" mais não era que um jogo entre duas equipas em que uma se escondia e a outra tentava encontrar a primeira. Claro que existiam regras! Definia-se a área de jogo, que no caso era "apenas" a zona que ia dos Bairros Novos, ou Bairros dos Ricos, até ao campo da bola, o velhinho Campo das Minas. Incluindo, claro, toda a zona do Monte da Sra. Benvinda, a "canha" que ligava os bairros à mina e até ao campinho da Chaminé.
Começava-se por escolher o capitão de cada equipa, por norma um dos mais velhos, para depois esses escolherem os seus apaniguados. Para além dos laços familiares, era tido muito em conta o local de residência, ou seja, o bairro em que morava. Tarefa nem sempre fácil, que muitas discussões originava e que levava logo às primeiras desistências. Claro que quem desistia não dizia que o fazia porque a mãe lhe tinha dito para estar mais cedo em casa!
Depois desta hercúlea tarefa, era altura de iniciar o jogo. Davam-se 15 minutos para que a equipa a esconder o fizesse. O tempo começava a contar a partir do momento em que um de nós gritava ROOLHAAA! Depois era ver cada um dos elementos da equipa adversária começar na correria a tentar descobrir os escondidos. Tarefa complicada! Para quem não conhece, basta dizer que a área de jogo equivalia mais ou menos, sem exageros a cinco ou seis campos de futebol, com todos os obstáculos, quer naturais quer de construção, que Val D'Oca sempre apresentou!
Agora que falo nisto lembro-me tão bem de alguns bons amigos que já não estão conosco... O Zé Manel Lourinho, o Zé Manel "Saramenho"... E de outros que, felizmente, ainda revejo, o Zé Benedito, o Betinho "Saramenho", o Betinho "Caracol", etc...
Escusado será dizer que o jogo nunca acabava! Os que se escondiam, se não fossem encontrados, aborreciam-se e ou iam para casa ou voltavam ao local de partida. Os que procuravam, depois de muitas voltas e correrias, chegavam àquele ponto em que começavam a "tocar os telemóveis", ou seja, começávamos a ouvir ao longe aquelas vozes transportadas pela brisa cálida da noite, vindas não se sabe bem de onde, que nos impunham mais respeito que qualquer patrulha da GNR, pois dessa nós podíamos esconder-nos em qualquer dos muitos recantos que só nós conhecíamos, mas daquelas vozes finas e esganiçadas, bem, dessas não havia volta a dar! Quando as nossas mães ligavam o "gramofone" e nos chamavam de uma forma que só elas conseguiam, já sabíamos que era a hora do regresso. Mas mesmo sem nada combinado, todos sabíamos que na noite seguinte, depois de mais uma ida escondida à represa para refrescar o corpo quente das futeboladas e da canícula do Verão, voltaríamos à esquina do vizinho Rogério para mais uma noite empolgante! Sem smartphones, sem tablets, apenas com a energia que os nossos verdes anos nos davam e sempre em nome da amizade pura e sincera que nos unia. Belos tempos, os da nossa infância...



Outros artigos de José F. Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 13/07/2020
EMAS de Beja investe
na saúde e segurança
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja já iniciou a implementação de um novo Sistema de Gestão da Saúde e Segurança, de acordo com a norma ISO 45001:2018.
07h00 - segunda, 13/07/2020
OP de Castro Verde
com 22 propostas
A população do concelho de Castro Verde apresentou um total 22 propostas ao "Orçamento Participativo" (OP) para o ano de 2021, revela a Câmara Municipal, que promove a iniciativa.
07h00 - segunda, 13/07/2020
Câmara de Almodôvar
apoia juntas de freguesia
A Câmara de Almodôvar decidiu atribuir uma verba de 60 mil euros a cada uma das seis juntas de freguesia do concelho, no sentido destas poderem executar pequenas obras nos respectivos territórios.
07h00 - sábado, 11/07/2020
Plantel do Ourique DC
com 23 atletas confirmados
De regresso à 2ª divisão distrital na temporada de 2020-2021, o Ourique Desportos Clube já tem o plantel fechado, com um total de 23 atletas confirmados, todos com ligação ao clube.
22h13 - sexta, 10/07/2020
Covid-19: Testes negativos a
trabalhadores da Somincor
Os trabalhadores da Somincor, empresa mineira de Neves-Corvo, testados nesta quinta-feira, 9, ao coronavírus Covid-19 tiveram resultado negativo, adianta a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.

Data: 10/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial