16h22 - quinta, 21/02/2019

Os velhos


Vítor Encarnação
Já foram novos noutro tempo. Num tempo em que eles ainda não pensavam no tempo que havia de vir agarrado ao ocaso de cada existência.
Quando somos novos parece que o tempo nunca há-de acabar, achamos que a velhice é um caminho por onde nós nunca iremos.
A velhice já foi um tempo tão longe. Eles não deram pelo caminho, foi um dia após outro, devagarinho, foi a lenta soma dos anos. A barriga que vai crescendo, a careca que vai lentamente comendo o cabelo, um cabelo branco, depois outro, uma ruga solitária de uma arrelia, depois outra e ainda outra, o espelho a entrar no jogo todas as manhãs, o perto que vai ficando difuso dentro dos olhos, a carta de condução que se renova, o colesterol que se mete no sangue, a tensão arterial que sobe, o reumático que estala os ossos, o sexo que esmorece, o ar que falta a subir as escadas, os netos que nascem, os diabetes, o coração cansado, os comprimidos em jejum, após as refeições e ao deitar, a próstata, os netos que já fumam, a memória que se esboroa, a esclerose que se anuncia, a paciência que não se tinha, a afectividade que não se tinha, o tempo que nunca se tinha, a reforma, o vazio na alma, a sensação de inutilidade, de espera em vão.
Não deram por isso. Mas um dia acordaram e já eram velhos. Por magia. Negra.
Dali do banco, sentados naquelas travessas de madeira verde, ameias do seu castelo, berços das madrugadas e cama dos crepúsculos, eles observam o mundo que lhes resta. Vêem duas ruas, as pessoas que passam, os beirais dos telhados, o sino da igreja, a antiga taberna, a entrada da vila, a paragem das camionetas, as esplanadas cheias de gente nova. Vêem o movimento dos pardais novos e das mulheres maduras.
E vão comer as sopas. Alguns ainda bebem vinho. Outros estão no lar. E depois voltam e observam gente a dar importância a coisas sem importância nenhuma. Eles agora já sabem – tão tarde! – que há coisas que não têm importância nenhuma, coisas que não deviam ter tido importância nenhuma, assuntos que lhes roubaram noites de sono, dislates que os fizeram perder amigos, arrependimentos que os amarguraram.
Coisas sem ponta por onde se lhes pegasse. Um tempo perdido a pensar que se estava a encontrar. Mas o raio do livro da vida só se lê no fim da própria vida, a vida só nos deixa ler o livro que escrevemos quando estamos às portas da morte. Até lá vamos escrevendo os capítulos como se fôssemos imortais, como se fôssemos analfabetos.
Para lá da curva da estrada já não há nada. É o último capítulo. Aquele que explica os outros. Sem hipótese de reescrever a história, sem hipótese de mudar uma linha.
Agora a vida deu-lhes uma boina e um baralho de cartas. É o jogo que lhes resta. Têm de aproveitar todos os trunfos.
Baralham e dão de novo.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 25/03/2019
Semana Gastronómica
do Borrego em Castro
A Câmara de Castro Verde promove a partir desta segunda-feira, 25 de Março, a segunda edição da Semana Gastronómica do Borrego, em que 13 restaurantes de Castro Verde e Entras vão apresentar nas suas ementas pratos à base de borrego do Campo Branco.
07h00 - segunda, 25/03/2019
"Os Verdes" defende obras no hospital de Beja
O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) defende a necessidade de haver obras de remodelação urgentes no Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, exigindo que o Governo cumpra a resolução aprovada no Verão de 2018.
07h00 - segunda, 25/03/2019
CM Aljustrel apresenta
cadastro da rede de águas
A Câmara de Aljustrel promove nesta segunda-feira, 25, pelas 14h30, uma sessão pública para apresentação do levantamento cadastral das infra-estruturas enterradas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais do concelho.
18h54 - domingo, 24/03/2019
Aljustrelense mantém
vantagem na 1ª divisão
A formação do Mineiro Aljustrelense derrotou neste domingo, 24, a formação do Aldenovense e manteve os nove pontos de vantagem sobre o Penedo Gordo na frente do campeonato distrital da 1ª divisão.
07h00 - domingo, 24/03/2019
Confraria do Porco Alentejano
serve para "mobilizar vontades"
Defender e afirmar a fileira do porco alentejano e os seus produtos são os objectivos que "guiam" a Confraria Gastronómica do Porco Alentejano, que trabalha em parceria com a Câmara de Ourique e a Associação de Criadores do Porco Alentejano no sentido de promover o elevado potencial dos produtos do porco alentejano "como base de uma oferta gastronómica diferenciadora, entre o tradicional e a inovação".

Data: 22/03/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial