15h08 - quinta, 06/12/2018

Evolução ou Involução?


Napoleão Mira
Esta coisa de termos a possibilidade de assistirmos à transformação dos novos hábitos civilizacionais, faz com que sejamos espectadores privilegiados da revolução que invadiu os nossos dias.
Evoluímos a uma velocidade que, a meu ver, estaria fora de qualquer cogitação ou predição do mais conceituado dos futurólogos da nossa praça.
No espaço temporal que decorre entre duas gerações, geraram-se mudanças comportamentais que me fazem duvidar se estas serão benéficas ou maléficas para o grande objectivo da vida de cada um. Ou seja: se com elas, somos mais ou menos felizes.
Neste exercício, que me preocupa, reparo que cada vez temos menos tempo para nós, para os outros, ou mesmo para a família. Que a vida se faz um corre-corre. Numa lufa-lufa. Que passemos pelo tempo, sem darmos pelo tempo passar. E... a isto eu chamo involução. Estamos rodeados, ou mesmo subjugados, ao advento das novas tecnologias, sem as quais já não sabemos viver; mesmo sabendo que estas não nos trazem mais qualidade de vida.
Em conversa com um amigo, perguntei-lhe porque não atendia o telemóvel? Respondeu-me que estava a fazer um detox da internet, telefone, sms, redes sociais, enfim, desse maravilhoso mundo novo que lhe ocupava parte substancial do dia e que, ponderando créditos e débitos, verificados os prós e contras, decidira dedicar essas horas de rentabilidade duvidosa a si mesmo, a procurar ser feliz.
Aplaudi-lhe mentalmente a coragem e regressei a casa com este pensamento a invadir-me o cérebro.
Nessa viagem de regresso dei comigo a fazer exercícios comparativos. A espremer o sumo desses supostos benefícios da moderna tecnologia e, para além do espanto que me causa o engenho humano, fiquei a matutar nessas surpreendentes capacidades inventivas, mas, ao mesmo tempo, na falta de habilidade humana para procurarmos sermos felizes.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 22/02/2019
Somincor com lucro de 75,3 milhões em 2018
A Somincor-Sociedade Mineira de Neves-Corvo terminou 2018 com vendas na ordem dos 357 milhões de euros e um lucro bruto de 75,3 milhões de euros, naquele que foi o melhor resultado da empresa nos últimos quatro anos.
07h00 - sexta, 22/02/2019
"PSD tem que sair
da Praça da República"
O empresário Gonçalo Valente, 38 anos, é o novo presidente da Distrital de Beja do PSD e em entrevista ao "CA" revela as prioridades dos sociais-democratas da região para os próximos dois anos.
07h00 - sexta, 22/02/2019
Resialentejo recolhe
tampas de plástico
A empresa intermunicipal Resialentejo, que opera em oito concelhos do distrito de Beja, estabeleceu um protocolo com a "Coração Delta", do Grupo Nabeiro, para a dinamização do projecto "Dê Uma Tampa".
07h00 - sexta, 22/02/2019
Odemira eleita na Rede
das Cidades Educadoras
A Câmara de Odemira foi reeleita, pela terceira vez, para a comissão coordenadora da Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadores, que é constituída por 74 municípios de Norte a Sul do país.
07h00 - quinta, 21/02/2019
Presidente da Almina:
"Vamos investir 25 milhões em 2019"
O presidente da administração da Almina faz um balanço positivo do ano de 2018, ainda que a empresa não tenha conseguido alcançar os resultados previstos.

Data: 22/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial