12h35 - quinta, 08/02/2018

Passagem para a Índia


Napoleão Mira
Hoje tive um acordar aldeão. De certo modo, regressei aos hábitos da minha terra. É certo de que acordei num barco ancorado à porta do barqueiro, mas a azáfama matinal que se faz sentir lá fora é em tudo idêntica àquela que aconteceria na minha aldeia, caso lhe passasse um rio navegável pelas entranhas.
Saio à rua. Impõe-se o silêncio dos despertados. Dos que embora acordados, ainda não largaram os braços de Morfeu, ou então dos que fazem desta serenidade matinal um elogio à vida.
Passeio pela quietude da língua de terra rodeado de água de um e outro lado chamada Kumaracon, em terras indianas de Kerala.
Uma mulher à frente do barco munida de uma vassoura de palma varre acocorada e em silêncio as folhas perecidas que tombaram durante a noite.
O ruído desta vassoura transporta-me de novo para o meu quinhão e esta senhora que em passe ritmado limpa o seu pedaço de rua já não é mais uma aldeã indiana, é sim a Maria Antónia, mulher do Pereirinha a varrer a sua. Se fechasse os olhos e fosse dia de Verão, quase que reconheceria a Maria Antónia pelo sincopado da sua varredura.
Mais à frente, um outro homem de sabonete e escova de dentes na mão entra destemido no rio. Mergulha à beira de água e quando volta à tona começa a fazer a sua higiene diária. Não o quero importunar com o olhar de metediço e sigo o meu caminho.
Do outro lado da rua, um outro homem sentado à soleira da porta lê no jornal as notícias matinais enquanto a mulher lhe prepara um café. Todas as casas têm idosos. Sinal de que por aqui tomam conta uns dos outros até à contagem final dos dias.
Com todos os que na rua comigo se cruzaram, novos e velhos, homens ou mulheres, adultos ou crianças, todos, mas mesmo todos, me sorriram e cumprimentaram num gesto de boa educação.
No regresso ouço uma buzina igual à do Joaquim padeiro lá da minha terra. Acelero o passo para ver se a memória não me atraiçoa. É que de repente, assim num passe de mágica, daquelas coisas que acontecem durante a noite, podiam ter mudado o cenário à minha terra e aquela buzina ser mesmo a do Joaquim e eu estar convencido que estava na Índia.
Não. Não era o Joaquim. Tinha-me esquecido que na Índia não há padeiros, visto o pão, da forma que o conhecemos e que o Joaquim o vende, não fazer parte dos hábitos alimentares desta gente.
Sucedem-se as buzinas dos vendedores matinais tal e qual como na minha aldeia. A que agora vejo passar é a do leiteiro. Uma bicicleta pasteleira, uma campainha, duas vasilhas de grande porte, uma em cada lado, mais as medideiras necessárias, são a ferramenta de trabalho deste profissional. Duas crianças, de olhos mais negros que a noite mais escura, escancaram o sorriso e acenam-me de leiteira na mão, enquanto aguardam a pontual chegada do homem do leite. Recordo agora, quando era criança tive uma igualzinha.
Logo atrás um Custódio Feio indiano anuncia ao que presumo o seu produto. O meu Custódio Feio não tinha ares de indiano, mas tinha uma motorizada muito parecida e apregoava com o mesmo entusiasmo o seu produto. Ainda parece que o ouço através da voz deste indiano. "Há carapau e pêxe", era o seu grito de guerra.
Certa vez, vendo-o aparecer ao longe na estrada que liga Entradas ao Carregueiro e pretendendo fotografá-lo fiz-lhe sinal de paragem. O homem parou, eu fotografei-o e ele foi-se embora. Mais tarde soube que se tinha amedrontado pensando que ia ser assaltado ao não me ter reconhecido.
Já tinha cara de muita coisa, agora de meliante é que não sabia!
Se a minha aldeia tivesse barcos, era lá que eu morava. Gosto desta coisa de me poder mover com a casa atrás água adentro. Gosto disto de comer e ver a vida passar mesmo aqui ao meu lado. Gosto de saber que as pessoas que me dão de vaia, o fazem sem ser só por fazer.
E gosto desta Índia de silêncios e calmarias. Gosto sobretudo da cozinha do Beldram que não pára de me surpreender. Ontem à noite voltou a presentear-nos com umas variações de galinha que quase me deixou sem adjectivos.
Ah.. neste momento escrevo a bordo do Dream Palace – o barco/ casa que alugámos – e estamos prestes a partir para a última visita antes de rumarmos a outro destino.
A Natália já lançou o desafio: – Da próxima vez ficamos todo o tempo em Kerala.
Eu encolho os ombros e mentalmente já me vejo por aqui a criar raízes.

Crónica do livro Olhares, a publicar brevemente



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 23/01/2019
Carlos Sequeira
campeão de jiujitsu
O atleta Carlos Sequeira, da Associação de Jiujitsu Brasileiro de Castro Verde, garantiu no último fim-de-semana o título de campeão europeu de jiujitsu na categoria de Masters Pesado/ Faixa Roxa.
07h00 - quarta, 23/01/2019
Delegação da Toyota
visita Castro Verde
Uma delegação da Toyota Europe e Toyota Japan vai estar em Castro Verde nesta quarta-feira, 23, no sentido de conhecer "os desafios e as boas práticas em territórios do interior", como é o caso deste concelho.
07h00 - quarta, 23/01/2019
Câmara de Beja apoia
Centro de Paralisia
A Câmara de Beja estabeleceu um protocolo com o Centro de Paralisia Cerebral de Beja que prevê a atribuição, por parte da autarquia, de um subsídio mensal de mil euros para garantir que crianças do concelho possam beneficiar da actividade de equitação terapêutica.
07h00 - terça, 22/01/2019
CM Castro Verde faz obras na
EB1 de Santa Bárbara de Padrões
Arrancaram no passado mês de Dezembro as obras de construção de uma antecâmara entre os dois edifícios da Escola Básica (EB) 1 de Santa Bárbara de Padrões, promovidas pela Câmara de Castro Verde.
07h00 - terça, 22/01/2019
IPDJ e AFBeja distinguem
infantis do Aljustrelense
O Instituto Português da Juventude e Desporto e a Associação de Futebol de Beja distinguiram no último domingo, 20, a equipa de infantis do Mineiro Aljustrelense pela sua atitude de fair-play num jogo do campeonato distrital diante do Alvito.

Data: 11/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial