12h35 - quinta, 08/02/2018

Rankings nas escolas? Porquê?


Carlos Pinto
No último fim-de-semana cumpriu-se uma "tradição" de há anos: a revelação, por parte da maior parte da comunicação social, dos rankings das escolas portuguesas, tendo por base os resultados dos exames realizados pelos alunos do 9º ano e do Secundário em 2016-2017. Ao longo de dois dias escalpelizaram-se resultados (sendo que cada órgão de comunicação social tinha a sua própria tabela), analisaram-se causas e efeitos dos mesmos, houve reportagens nas "melhores" e também nas "piores" escolas. Mas passado este frenesim, há uma questão que continua por responder: afinal, para que servem estes rankings?
A pergunta não surge por acaso. Afinal de contas, são muitos os responsáveis educativos que rejeitam este tipo de avaliação ao "rendimento" das escolas e até o próprio Ministério da Educação não reconhece este tipo de classificação. Mais uma vez, impõe-se que questionemos: para que(m) servem estes rankings?
Ao fim e ao cabo, a resposta talvez seja… para nada! Porque não é correcto proceder a este tipo de avaliações e análises tomando todos por igual, sem ter em conta os contextos sociais e económicos de cada aluno, as condições de cada estabelecimento de ensino e até a realidade de cada região. É que o ensino público é diferente do privado. O quadro que encontramos numa escola na zona da Boavista no Porto, frequentada por jovens provenientes da classe média-alta e com ambientes familiares sólidos e estruturados, nunca pode ser comparado com o quadro de um estabelecimento que apenas recebe alunos vindos dos bairros sociais de Setúbal. E a realidade de Évora nunca será igual à de Sabóia…
Em suma, os rankings das escolas, tal qual existem agora, de nada servem. Seria bem mais útil que se tirasse partido da informação recolhida para avaliar o que pode ser melhorado em cada escola e em cada contexto de ensino, em vez de andarmos a brincar aos "campeonatos das escolas".



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 19/10/2018
Castro Verde recebe
a maior feira do Sul!
Até pode estar a chover a potes, mas não é isso que vai abalar a tradição da Feira de Castro! É por isso que neste fim-de-semana, 19 a 21 de Outubro, as ruas da vila vão encher-se com um mar de gente que vai desaguar lá em baixo, no largo inundado de tendas, onde os pregões dos ciganos se misturam com a música acelerada dos carrosséis e o cheiro adocicado das farturas.
07h00 - sexta, 19/10/2018
Câmara de Beja vence
prémio de voluntariado
A Câmara Municipal de Beja venceu o prémio "Boas Práticas de Voluntariado", atribuído pela Delegação Regional do Alentejo do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).
07h00 - sexta, 19/10/2018
Mértola apresenta filme
"Guadiana Selvagem"
A Câmara de Mértola promove nesta sexta-feira, 19, no cine-teatro Marques Duque, a apresentação ao público do documentário "Guadiana Selvagem", realizado por Daniel Pinheiro no Parque Natura do Vale do Guadiana.
07h00 - sexta, 19/10/2018
Governo apoia projecto do zinco da Somincor
O Governo já aprovou a minuta do contrato fiscal de investimento a celebrar entre o Estado e a Somincor, proprietária das minas de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, no âmbito do projecto da empresa para a expansão da produção de zinco, avaliado em 256 milhões de euros.
07h00 - quinta, 18/10/2018
Turma de Beja
sem sete professores
Os 26 alunos de uma turma do sétimo ano da Escola Básica de Santa Maria, em Beja, estão sem professor em sete das 15 disciplinas que constituem a sua matriz curricular desde o início do presente ano lectivo, devido à inexistência de docentes colocados.

Data: 12/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial