12h26 - quinta, 25/01/2018

Ainda ontem


Vítor Encarnação
Dormiu mal. Eram cinco da manhã e não conseguia dormir. A horas tão matinais apenas o motor do frigorífico rói o silêncio da casa e as torneiras deitam pingas que batem na testa da noite. Acende as luzes do corredor e as fotografias abrem os olhos. Ainda estremunhado senta-se na sanita. Dobra-se sobre si mesmo ainda atordoado de sono e cansaço. Olha para o relógio de pulso. Tem de o afastar mais para o ver melhor. Não dá muita importância. É do sono. Parece-lhe ter a barriga inchada e os pés com calos. Não liga. É da noite mal dormida. Cinco e dez. É cedo, mas já não se vai deitar. Não quer voltar a ter o mesmo pesadelo. Aproveita para ir estudar para um teste de Filosofia que vai ter nesse dia.
O duche é retemperador mas quando esfrega a cabeça parece-lhe ter menos cabelo. Talvez seja do champô e da hora. Limpa-se e descobre os músculos das pernas incompreensivelmente flácidos. Ainda ontem no treino estavam fortes e duros. Olhou-se ao espelho. O reflexo é difuso. Pega na toalha e limpa o vapor. Do lado de lá surge um velho. Talvez seja um pesadelo.
Fecha a porta, ninguém o pode ver assim. Mesmo que os pais o tivessem ouvido levantar, pensariam que ele tinha ido à casa de banho e já estaria novamente deitado. Olha novamente para o espelho. Passa os dedos pelas rugas, pelas olheiras, pela nuca parcialmente desnudada, pela barba esbranquiçada, pela barriga grande. É de certeza um pesadelo.
Abre a porta devagar, mas a meio do corredor um miúdo chama-o, Pai, o que anda a fazer tão cedo?
Corre escadas abaixo. O motor do coração a roer o silêncio da casa. Iria resolver tudo, precisava apenas de encontrar a carteira, era lá que estava a resposta, o acordar do pesadelo. O bilhete de identidade renovado o ano passado antes das matrículas iria repor a verdade das coisas. Malditas noites de sonhos maus. Abriu a carteira, puxou o documento para a luz. Era a fotografia do velho. Sempre o velho. O velho ocupara o lugar dele no espelho, no bilhete de identidade, na carta de condução, nas fotografias do último Verão.
Seis da manhã e ele abrindo gavetas, despejando caixas, rasgando sacos, à procura de provas, querendo expulsar o velho. A mulher atrás dele a chorar, o que é que tu tens
homem? O filho a praguejar, bela noite para quem vai ter hoje um teste de Filosofia.
Agarra numa tesoura, corta o bilhete de identidade, a carta de condução, as fotografias do último Verão. Tenta tirar o velho da sua vida. Agora só já falta o espelho.
Entra na casa de banho e naquele rosto vê os desenhos do tempo, as marcas dos anos, o resumo de todas as horas, o sumário da vida.
A mulher e o filho abraçam-no e ele aos soluços diz, vocês não compreendem, é que ontem, ainda ontem, tinha eu dezoito anos.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 19/10/2018
Castro Verde recebe
a maior feira do Sul!
Até pode estar a chover a potes, mas não é isso que vai abalar a tradição da Feira de Castro! É por isso que neste fim-de-semana, 19 a 21 de Outubro, as ruas da vila vão encher-se com um mar de gente que vai desaguar lá em baixo, no largo inundado de tendas, onde os pregões dos ciganos se misturam com a música acelerada dos carrosséis e o cheiro adocicado das farturas.
07h00 - sexta, 19/10/2018
Câmara de Beja vence
prémio de voluntariado
A Câmara Municipal de Beja venceu o prémio "Boas Práticas de Voluntariado", atribuído pela Delegação Regional do Alentejo do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).
07h00 - sexta, 19/10/2018
Mértola apresenta filme
"Guadiana Selvagem"
A Câmara de Mértola promove nesta sexta-feira, 19, no cine-teatro Marques Duque, a apresentação ao público do documentário "Guadiana Selvagem", realizado por Daniel Pinheiro no Parque Natura do Vale do Guadiana.
07h00 - sexta, 19/10/2018
Governo apoia projecto do zinco da Somincor
O Governo já aprovou a minuta do contrato fiscal de investimento a celebrar entre o Estado e a Somincor, proprietária das minas de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, no âmbito do projecto da empresa para a expansão da produção de zinco, avaliado em 256 milhões de euros.
07h00 - quinta, 18/10/2018
Turma de Beja
sem sete professores
Os 26 alunos de uma turma do sétimo ano da Escola Básica de Santa Maria, em Beja, estão sem professor em sete das 15 disciplinas que constituem a sua matriz curricular desde o início do presente ano lectivo, devido à inexistência de docentes colocados.

Data: 12/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial