12h15 - quinta, 12/10/2017

Ventos de mudança


Napoleão Mira
Fazer política pode-se traduzir como a arte da negociação tendo em vista os interesses da maioria da população; isto por ser impossível agradar à sua totalidade.
Fazer política é participar na polis, que é como quem diz intervir na cidade, logo um exercício de cidadania.
Nas eleições do passado dia 1 de Outubro as populações, nesse exercício de soberania democrática e de cidadania, decidiram quem as iriam governar nos próximos quatro anos. Nuns casos mantiveram-se as forças que detinham o poder, sinal de que a sapiência e vontade do povo é inquestionável. Noutros, seguindo exactamente o mesmo raciocínio acerca das deliberações dos votantes, foi por estes decidido que seria melhor dar lugar a outra força concorrente.
A isto chamo DEMOCRACIA, ou o poder do povo em tradução literal.
Numa crónica passada aqui deambulei sobre o totalitarismo democrático e os prejuízos dele advindos, como sejam o clientelismo ou mesmo o bullying político, práticas apetecíveis para quem detém o poder geração após geração, sejam eles da cor política que forem.
Congratulo-me por no meu concelho (Castro Verde), finalmente, a alternância democrática ser agora uma realidade.
Sou um indefectível apreciador dos ventos de mudança. Do ar fresco das novas ideias. Da coragem de acreditar. Do dar a volta por cima. Do não voltar a cara à luta.
Do que não gosto é da arrogância dos vencedores na hora da vitória nem do vaticínio catastrofista dos perdedores na hora da derrota.
Agora está na hora de arregaçar as mangas e de transformar em obra as promessas derramadas no papel.
Aos novos decisores que se lhe iluminem as ideias para colocar em prática os sonhos de tantos anos. Aos opositores que o façam com critério, realismo e responsabilidade, já que o que está em jogo é a qualidade de vida de quem elegeu uns e outros.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 20/04/2018
"Fixação de pessoas é o maior desafio de Almodôvar"
O presidente da Câmara de Almodôvar, falou ao "CA" sobre os desafios que se colocam ao concelho, assim como sobre as inúmeras obras que a autarquia tem em desenvolvimento ou pretende concretizar.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila Galé investe
no concelho de Beja
Tal como o "CA" revelou em Dezembro de 2017, o Grupo Vila Galé prepara-se para refortçar o seu investimento no concelho de Beja, onde já tem o Clube de Campo, perto de Albernoa.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena de artes
em Castro Verde
Da música acústica ao rock mais "eléctrico", do cante alentejano às palavras de Abril, dos livros aos produtos da terra, do teatro para bebés aos espectáculos de revista, são muitos os pontos de interesse de mais uma edição da "Primavera no Campo Branco", quinzena cultural que a Câmara de Castro Verde promove entre esta sexta-feira, 20 de Abril, e o dia da Mãe, a 6 de Maio.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena cultural reduziu orçamento
Depois de nos últimos quatros anos ter tido uma duração mais prolongada no tempo, a "Primavera no Campo Branco" regressa em 2018 ao formato de quinzena.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila de Almodôvar
"volta" à Idade Média
Almodôvar "viaja" neste fim-de-semana até 1285, ano em que Dom Dinis concedeu a Carta de Foral à localidade, com o centro histórico da vila a receber bailes e folias, bobos e jograis, damas e cavaleiros, numa organização da Câmara Municipal local.

Data: 20/04/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial