11h02 - quinta, 02/03/2017

Poluição atmosférica


João Alberto Fragoso
Uma equipa de investigadores descobriu que o aumento da poluição atmosférica de partículas finas em cidades da China está associado a um maior índice de mortalidade por doença cardiovascular e respiratória.
O estudo liderado por Maigeng Zhou, subdiretor do Centro Nacional do Controlo e Prevenção da Doença Crónica e Não-comunicável, Centro Chinês para o Controlo e Prevenção da Doença, China, analisou dados relativos a 272 cidades chinesas.
Os investigadores apuraram que a exposição anual à poluição atmosférica de partículas finas (PM2.5) em cidades chinesas era de 56 microgramas por metro cúbico (?g/m3), um valor muito superior aos 10?g/m3 previstos nas linhas de orientação da Organização Mundial de Saúde.
Foi determinado que cada aumento de 10?g/m3 na poluição atmosférica estava associado a um incremento percentual de 0,22 na mortalidade por causas não acidentais. Cada aumento de 10?g/m3 na poluição atmosférica estava associado a uma subida de 0,29% na mortalidade respiratória total e a um aumento de 0,38% na mortalidade por doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).
A associação entre os níveis de PM2.5 e a mortalidade foi mais acentuada em cidades com temperaturas anuais médias mais elevadas. Os índices de mortalidade foram superiores em pessoas com mais de 75 anos e em pessoas com escolaridade mais baixa.
Os investigadores especulam que as diferenças na escolaridade poderão resultar em desigualdades em termos de saúde ambiental e no acesso a cuidados de saúde que possam afetar a mortalidade. Relativamente às cidades com temperaturas anuais superiores, a equipa admite que é possível que o facto de os habitantes dessas cidades passarem mais tempo ao ar livre e abrirem as janelas, os exponha mais à PM2.5.
Segundo Maigeng Zhou, "a poluição atmosférica de partículas finas é uma das principais preocupações dos países em desenvolvimento, incluindo a China, mas a evidência epidemiológica sobre o seu efeito na saúde é limitada".
A equipa afirma que este estudo sugere uma associação mais ténue entre os aumentos de PM2.5 e a mortalidade do que outros estudos conduzidos na Europa e América do Norte, oferecendo algumas explicações para esta diferença, como a possibilidade de os componentes de PM2.5 na China poderem serem menos tóxicos do que os da Europa e América do Norte.
Haidong Kan, da Universidade de Fudan, na China e coautor do estudo, afirma que "os nossos achados poderão ser úteis para formular diretrizes de saúde pública e padrões de qualidade do ar ambiental nos países em desenvolvimento de forma a reduzir as doenças associadas à poluição atmosférica por PM2.5".
Na nossa região do Baixo Alentejo a qualidade do ar respirável também sofre os efeitos nefastos da poluição ambiental por excessivo teor de pólen tradicionalmente pelo elevado teor em gramíneas, e ainda as ´arvores tradicionalmente culpadas, como a azinheira, o pinheiro, os plátanos, os cedros. Mas a principal árvore que causa problemas mais frequentemente ao nível do aparelho respiratório, desencadeando doenças, como a rinite, a asma e mesmo doenças do foro dermatológico e oftálmico é sem sombra de dúvidas a Oliveira. Tradicionalmente a densidade do olival na nossa região era de cerca de sessenta árvores por hectare indo em casos raros ás cem oliveiras.
Actualmente assistimos a um exagero no plantio dessas aqui no Baixo Alentejo chegando mesmo a ultrapassar as mil árvore por hectare. São árvore de baixo volume arbóreo, mas de elevado potencial produtivo, a verdade é que deixámos de produzir cerca de sete por cento do azeite nacional para os cerca de setenta e cinco por cento, é obra . Não somos contra a produção do azeite, mas pensamos que seria mais sensato evitar a concentração e respeitar a geolocalização , por modo a obviar os problemas decorrentes da polinização anemófila. Os tradicionais argumentos que outras regiões têm mais oliveiras do que nós e não se queixam, estão ligados a uma mentalidade medíocre supostamente progressista. A nossa obrigação é promover ambientes saudáveis e seguros! Devemos todos estar do lado da solução e não fazer parte do problema fazendo de conta que isso não é da nossa lavra.
Estamos em meados de Fevereiro, dentro de pouco tempo vamos assistir a um descalabro ambiental, em que os boletins diários do mapa polínico e do ozono são a única forma de alertar, como se isso tivesse algum efeito terapêutico. O efeito terapêutico será com certeza a correta gestão ambiental, o correto maneio da terra e o planeamento urbanístico no que concerne às árvores de jardim! Será certamente um problema de nós todos e não só da Administração central e desconcentrada do Estado.



Outros artigos de João Alberto Fragoso

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 20/04/2018
"Fixação de pessoas é o maior desafio de Almodôvar"
O presidente da Câmara de Almodôvar, falou ao "CA" sobre os desafios que se colocam ao concelho, assim como sobre as inúmeras obras que a autarquia tem em desenvolvimento ou pretende concretizar.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila Galé investe
no concelho de Beja
Tal como o "CA" revelou em Dezembro de 2017, o Grupo Vila Galé prepara-se para refortçar o seu investimento no concelho de Beja, onde já tem o Clube de Campo, perto de Albernoa.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena de artes
em Castro Verde
Da música acústica ao rock mais "eléctrico", do cante alentejano às palavras de Abril, dos livros aos produtos da terra, do teatro para bebés aos espectáculos de revista, são muitos os pontos de interesse de mais uma edição da "Primavera no Campo Branco", quinzena cultural que a Câmara de Castro Verde promove entre esta sexta-feira, 20 de Abril, e o dia da Mãe, a 6 de Maio.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena cultural reduziu orçamento
Depois de nos últimos quatros anos ter tido uma duração mais prolongada no tempo, a "Primavera no Campo Branco" regressa em 2018 ao formato de quinzena.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila de Almodôvar
"volta" à Idade Média
Almodôvar "viaja" neste fim-de-semana até 1285, ano em que Dom Dinis concedeu a Carta de Foral à localidade, com o centro histórico da vila a receber bailes e folias, bobos e jograis, damas e cavaleiros, numa organização da Câmara Municipal local.

Data: 20/04/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial