00h00 - quinta, 01/01/1970

As pessoas estão primeiro


Pedro do Carmo
O exercício de cargos públicos e políticos exige uma atitude responsável de melhoria da qualidade da democracia e de respeito por todos, valorizando ideias e pessoas e estimulando a participação dos cidadãos e das organizações na vida pública.
Essa responsabilidade compete essencialmente aos políticos. São os seus exemplos que servem de referência e de garantia à credibilidade do sistema democrático.
É importante cultivarmos atitudes e intervenções de tolerância e de respeito, alimentar as diferenças do pensamento e as divergências de opinião como valores da condição humana, como uma riqueza incomum que bem entendida serve os interesses de uma sociedade mais justa e equilibrada.
A homenagem que o Município de Ourique fez às mulheres e aos homens que serviram e que servem a democracia na Assembleia da República é um modesto contributo para a valorização das pessoas e das suas ideias, mas também do Parlamento onde se centra a democracia em nome dos cidadãos.
Defendo que nos concentremos na melhoria da qualidade democrática e na maior qualidade no exercício dos cargos políticos.
Num momento em que nos confrontamos com novos desafios e em que as incertezas motivam o descrédito da classe política, é decisivo que cuidemos da democracia com atitudes de liderança mais respeitadoras e atentas à evolução da sociedade e aos interesses e expectativas das pessoas.
Temos a obrigação de governar para as populações, de centrar as pessoas como prioridade das acções políticas.
Temos a responsabilidade de promover lideranças actuantes: com visão, com pensamento, com coragem e determinação para cumprir os desígnios do progresso e da melhoria da qualidade de vida dos nossos concidadãos.
Temos o dever de impulsionar lideranças que centrem nas suas preocupações os interesses das pessoas. Porque as pessoas estão em primeiro lugar!
Devemos defender o futuro. Promover as acções políticas para um desenvolvimento harmonioso. Garantir as igualdades e as oportunidades. Realizar planos e obras que sirvam em benefício das gerações futuras.
Devemos aprofundar as reflexões, escutar as pessoas, respeitar as ideias e opiniões. Temos a obrigação de fomentar uma democracia mais exigente, mais participada e mais activa.



Outros artigos de Pedro do Carmo

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 26/05/2020
InCastro apoia
empresas de Castro
A Câmara de Castro Verde tem vindo a desenvolver um plano de apoio à concretização dos incentivos disponibilizados pelo Governo português às empresas no âmbito da Covid-19, através dos serviços do InCastro.
07h00 - terça, 26/05/2020
Alentejo 2020 tem a maior
taxa de compromisso nacional
O Alentejo 2020 fechou o ano de 2019 com uma taxa de execução financeira na ordem dos 27%, a maior entre todos os programas operacionais regionais de Portugal.
07h00 - terça, 26/05/2020
Freguesia de S. Luís
com falta de médicos
A Junta de Freguesia de São Luís, no concelho de Odemira, está indignada pela falta de profissionais de saúde na Extensão de Saúde local, sendo que de momento a freguesia não conta com médico, enfermeiros ou sequer serviços administrativos.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Aljustrel retoma
mercados mensais
A Câmara de Aljustrel decidiu retomar a realização de mercados mensais no Parque de Feiras e Exposições da "vila mineira", ainda que mediante o cumprimento de novas regras devido à pandemia de Covid-19.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Câmara de Almodôvar aprova
apoios às empresas do concelho
A Câmara de Almodôvar aprovou na passada semana, em reunião do executivo, um lote de candidaturas, no valor aproximado de 29591 euros, no âmbito do Programa de Apoio ao Tecido Empresarial (PATECA).

Data: 15/05/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial