15h39 - quinta, 10/01/2019

Lavrar o Mar


Napoleão Mira
Gosto de circo e da vida cigana que levam os que a vivem. Admiro-lhes a destreza e perigosidade dos números quando estão na pista ou no trapézio, na mesma proporção com que lhes invejo a liberdade, essa conjugação do verbo "partir para de novo chegar e mais tarde abalar" de que é feita a vida dos que abraçam esta antiquíssima arte.
Antes do 2018 se finar decidi ir ao circo. Os amigos com quem partilhei a experiência já eram habitués na matéria e foi por insistência deles que acordei a criança adormecida que em mim reside e parti à descoberta desta nova maneira de a reviver.
Estava uma noite gelada em Monchique, mas dentro do chapitô, onde 700 almas esperavam pela estreia desta trupe de ginastas, acrobatas e malabaristas, respirava-se uma atmosfera surpreendentemente agradável, tanto pelo calor humano como pela climatização do espaço.
Logo que o espetáculo começou, dei por mim a pensar que iria assistir a algo verdadeiro e surpreendente. A dupla franco-finlandesa Victor & Kati eram os protagonistas daquela estranha performance. Ele um homenzarrão multifacetado, ela uma acrobata frágil e temerária deliciavam a assistência com arrojados números de acrobacia e equilibrismo raros de ver, ao mesmo tempo que, numa cacofonia debitada em várias línguas, Victor, qual maestro regente, empolgava a assistência levando-a a esquecer-se de si durante naquela hora e meia e, num passe de mágica, passar a residir no planeta circo de que esta brava trupe era representante maior.
Os restantes acrobatas, de quem não consegui captar os nomes, eram também eles exímios profissionais, tanto nos números em altura, como na barra oscilante ou na performance a cavalo, onde, estes dois que a terra há de comer viram um homem a fazer o pino em cima de um quadrúpede a galope.
O ritmo do espetáculo era verdadeiramente estonteante. Não eram permitidos tempos mortos e, em muitos dos números, sem que tivessem qualquer relação (ou se calhar tinham!) aconteciam várias coisas ao mesmo tempo. Recordo, por exemplo, que o portal de entrada e saída dos artistas estava montada em cima de um charriot que de vez em quando circulava pelo palanque que divide a assistência da pista, com os mais diversos quadros, numa demonstração de cuidado cénico, de novidade plástica e de diversidade cultural.
A acompanhar este terramoto de emoções estava – montada lá no alto – uma banda de músicos extraordinários que emprestavam o colorido sonoro necessário a cada momento e no segundo preciso.
Sei que durante as cinco noites de apresentação a lotação esteve permanentemente esgotada, tal quer dizer que existe futuro para o circo, só há que ser inventivo. E numa vila do interior algarvio, levar a cabo uma empreitada desta natureza requer mais do que uma ponta de loucura. Requer visão estratégica e capacidade de desenvolvimento recorrendo às agências de desenvolvimento local, bem como ao apoio do programa "365".
Dizem-me que a brilhante organização se deve à dupla Giacomo Scalisi e Madalena Victorino, responsáveis pela programação "Lavrar o Mar".
Pela minha parte quero dizer-lhes que para além de lavrarem o mar, gradaram-me os sonhos e escarificaram-me os sentidos.

O autor utiliza o
Novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 19/09/2019
Turismo do Alentejo
promove reunião em Beja
A Pousada de Beja recebe nesta quinta-feira, 19 de Setembro, uma das reuniões descentralizadas que a Turismo do Alentejo e Ribatejo está a promover para "rever, debater e preparar" as principais linhas estratégicas do sector no horizonte 2021-2027.
07h00 - quinta, 19/09/2019
Protocolo entre
AF Beja e ARF Príncipe
A Associação de Futebol de Beja (AFB) e a Associação Regional de Futebol do Príncipe (ARFP), de São Tomé e Príncipe, estabeleceram nesta quarta-feira, 18, um protocolo de cooperação visando o desenvolvimento do futebol e futsal.
07h00 - quinta, 19/09/2019
Pedro do Carmo condena "ataque" ao Mundo Rural
O deputado do PS eleito por Beja critica duramente a Universidade de Coimbra (UC), considerando que a decisão desta retirar da ementa das cantinas universitárias a carne de vaca a partir de 2020 é mais um ataque ao Mundo Rural.
07h00 - quinta, 19/09/2019
Daniel Mestre quer
pedalar até aos 40 anos
O ciclista Daniel Mestre, de 33 anos e natural de Almodôvar, venceu uma etapa, ganhou a camisola dos Pontos e foi uma das figuras da Volta a Portugal em bicicleta de 2019 ao serviço da equipa da W52/FC Porto.
07h00 - quarta, 18/09/2019
MFS com candidatura
a fundos comunitários
para reabrir em Moura
Um grupo empresarial apresentou uma candidatura, na CCDR Alentejo, visando o desenvolvimento de um projecto ligado às energias renováveis e a outras componentes da fileira energética nas instalações da antiga Moura Fábrica Solar (MSF).

Data: 13/09/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial