16h24 - quinta, 12/07/2018

Tradição e ruralidade


Vítor Encarnação
Houve tempos em que cantar ainda não era um património cultural, a comida ainda não se chamava gastronomia, as lonjuras ainda só cansavam as pernas e os sonhos, a calma não acalmava assim tanto, o vinho não se bebia em copos de pé alto nas casas de turismo rural. Cantava-se para purgar contrariedades, comia-se para se matar a fome, calcorreavam-se léguas de pó e lama, suavam-se sóis debaixo das boinas e o vinho fazia esquecer a manhã seguinte e bebia-se nas tabernas em copos pequenos como a vida.
Os tempos mudaram, nós mudámos o tempo e o tempo mudou muita coisa. Mudou a percepção que as pessoas têm de nós, mudou o conceito de arte, a ideia e a prática de cultura. Aprendemos que aquilo que anteriormente era visto como antigo, provinciano, popularucho, folclórico e nunca podia fazer parte da cultura enquanto conceito global, é afinal o que nos define, aquilo que nos distingue.
Houve dois factores fundamentais para essa mudança: por um lado a percepção, alicerçada num conhecimento antropológico, histórico e social, de que a nossa tradição é a espinha vertebral que nos sustenta como povo, e por outro lado o crescente fascínio que esta ruralidade nas suas mais variadas formas de expressão provocou um pouco por todo o lado. Há na nossa ruralidade uma elegância que seduz. Uma espécie de reencontro com um paraíso perdido. E isso explica-se porque, para se entender a si mesmo, o ser humano precisa de regressar às emoções, precisa de deixar fluir o tempo para poder fruir a vida. E nós temos tudo isso, temos um passado de portas abertas, um passado digno, orgulhoso, um largo onde as pessoas podem ver e tocar e sentir e saborear, um passado que, através de uma lapidação aturada e apurada, soubemos transformar em presente e que sabemos terá de ser o caminho para o nosso futuro. Quem nos havia de dizer a nós que o cante, o vinho, o pão, o montado, o azeite, a lonjura e o vagar, seriam a trave mestra de uma identidade tão amada?
Soubemos explicar o que temos e o que somos. Ainda fomos a tempo de resgatar a nossa essência, assumimos que somos o que somos porque fomos aquilo que fomos. Deixámos de ter vergonha e algum complexo de inferioridade, abrimos portas, janelas, baús, peitos, bocas, olhos, montes, horizontes, memórias, museus. Resgatámos a poesia popular, as violas campaniças, os grupos corais, o despique e o baldão, recuperámos palavras perdidas, salvámos receitas e histórias. Soubemos fazer a tradução da tradição. Mais que um entretenimento ou um passatempo, a tradição é um abraço, uma partilha, uma questão existencial, uma causa colectiva.
A ruralidade não é um postal ilustrado, uma fotografia que se publica nas redes sociais, um livro que se compra e se esquece, um CD que se leva e não se ouve.
A ruralidade não cabe dentro de um saco de asas. É preciso uma alma grande.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 26/05/2020
InCastro apoia
empresas de Castro
A Câmara de Castro Verde tem vindo a desenvolver um plano de apoio à concretização dos incentivos disponibilizados pelo Governo português às empresas no âmbito da Covid-19, através dos serviços do InCastro.
07h00 - terça, 26/05/2020
Alentejo 2020 tem a maior
taxa de compromisso nacional
O Alentejo 2020 fechou o ano de 2019 com uma taxa de execução financeira na ordem dos 27%, a maior entre todos os programas operacionais regionais de Portugal.
07h00 - terça, 26/05/2020
Freguesia de S. Luís
com falta de médicos
A Junta de Freguesia de São Luís, no concelho de Odemira, está indignada pela falta de profissionais de saúde na Extensão de Saúde local, sendo que de momento a freguesia não conta com médico, enfermeiros ou sequer serviços administrativos.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Aljustrel retoma
mercados mensais
A Câmara de Aljustrel decidiu retomar a realização de mercados mensais no Parque de Feiras e Exposições da "vila mineira", ainda que mediante o cumprimento de novas regras devido à pandemia de Covid-19.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Câmara de Almodôvar aprova
apoios às empresas do concelho
A Câmara de Almodôvar aprovou na passada semana, em reunião do executivo, um lote de candidaturas, no valor aproximado de 29591 euros, no âmbito do Programa de Apoio ao Tecido Empresarial (PATECA).

Data: 15/05/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial