12h40 - quinta, 19/04/2018

Aproveitar os fundos da Europa


Carlos Pinto
Está em cima da mesa o processo de reprogramação dos fundos comunitários. Um trabalho necessário, no sentido de evitar que Portugal tenha de devolver verbas a Bruxelas por falta de candidaturas e investimento. Mas também uma tarefa urgente, sobretudo quando perante as inúmeras lacunas por resolver em todo o território para as quais este dinheiro vindo da União Europeia pode ser fundamental.
Parece-nos claro que poucos – e na maior parte das vezes apenas por má-fé – desdenharão os avanços proporcionados ao país pela sua adesão à Europa comunitária. Desde há 30 anos a esta parte que Portugal deu um passo de gigante na sua infra-estruturação básica, nas acessibilidades, na educação e na investigação, na inovação e na coesão social. Tudo com um grande contributo da União Europeia.
Mas não querer isto dizer que este trabalho esteja concluído. Bem pelo contrário! O caminho a trilhar é ainda longo, sinuoso e cheio de escolhos. Os problemas de hoje já não são os de antigamente e as necessidades de outrora deram espaço a outras carências. E, acima de tudo, não se pode olhar para o país todo de forma igual assim como nesta Europa a 28 (em breve a 27) as nações são todas distintas entre si.
É por tudo isto que no processo de reprogramação dos fundos comunitários – nomeadamente os que estão alocados ao Portugal 2020 – que está em marcha é preciso ser assertivo no diálogo com Bruxelas e convencer aos restantes parceiros europeus que nem todas as verbas devem ir para a tecnologia ou para economia 4.0. Porque por muito que custe às elites (lá fora e até cá dentro), em muitas zonas de Portugal (e não só) ainda precisamos de reparar estradas, de fazer novos sistemas de abastecimento e de construir novas escolas. E é para isso que o dinheiro da União Europeia (também) deve servir.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 21/02/2019
Presidente da Almina:
"Vamos investir 25 milhões em 2019"
O presidente da administração da Almina faz um balanço positivo do ano de 2018, ainda que a empresa não tenha conseguido alcançar os resultados previstos.
07h00 - quinta, 21/02/2019
EMAS Beja
melhora gestão de
águas residuais
Colocar a cidade de Beja "como uma referência" ao nível do tratamento de águas residuais urbanas é o grande objectivo da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja, que vai implementar em 2019 um plano operacional estratégico para alcançar "uma melhoria significativa" na gestão das redes de águas residuais do concelho.
07h00 - quinta, 21/02/2019
PS de Beja elogia
passagem do Museu
Regional para a DRCA
A Concelhia de Beja do PS elogia a transferência do Museu Regional para a tutela da Direcção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA), considerando que esta "potenciará Beja e o seu património junto de um público muito mais alargado".
07h00 - quinta, 21/02/2019
Dois linces-ibéricos
libertados no
concelho de Mértola
A Herdade da Bombeira, no concelho de Mértola, recebe nesta quinta-feira, 21, a libertação de mais dois linces-Ibéricos, um macho e uma fêmea com 11 meses de idade, oriundos do Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro de Silves e do Centro La Granilla, em Espanha.
07h00 - quarta, 20/02/2019
Orquestra Clássica
nasce em Almodôvar
A manhã do passado sábado, 2 de Fevereiro, marcou o arranque do novo (e ambicioso) projecto da Almovimento-Associação Desportiva, Recreativa e Cultural de Almodôvar: a Orquestra Clássica.

Data: 08/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial