12h42 - quinta, 05/04/2018

El Condor Pasa


Napoleão Mira
À medida que a estrada serpenteava abria-se à minha frente um dos cenários mais belos a que os meus olhos assistiram. O Vale do Colca.
Milhares de socalcos pintalgados das várias tonalidades do verde até desmaiarem no castanho da terra são as cores que adornam esta manta de retalhos esculpida pelo homem na natureza há centenas, quando não mesmo, milhares de anos.
São uma herança pré inca, alviltra-se que da civilização Cabana, a construção em terraços de toda esta zona marginada pelo rio Colca. Também consta, que durante o século dezoito o vale foi abandonado, tendo como motivo bastante, uma prolongada seca de trinta anos. Quando as chuvas voltaram, os homens e os animais regressaram para não mais o abandonar.
A panorâmica que nos é oferecida é esmagadora. Aqui e ali paramos em miradouros para congelar via fotografia os momentos vividos; para que mais tarde sirvam de testemunho à nossa passagem por tão afortunado lugar.
Umas dessas paragens não é num miradouro, mas sim, numa espécie de serviços aduaneiros do vale, onde toda a gente paga para entrar, sendo que, o valor mais alto (20€) é para os turistas não nacionais, seguidos dos latino-americanos, depois dos nacionais, terceira idade e estudantes respectivamente.
Num dos últimos mirantes em que parámos coincidia com o início do grande desfiladeiro do Colca, mais conhecido pela sigla inglesa de Colca Canyon.
Consumimos horas, minutos e segundos em frenética absorção do que se nos é facultado experimentar. Nesse exercício esponja, somos conduzidos ao ponto mais alto desta manhã de viagem; local esse conhecido como: Cruz do Condor.
Lá em baixo os vertiginosos abismos do segundo maior desfiladeiro do mundo (mais de 3.500 metros de profundidade), lá em cima, a raiar os céus, os cumes nevados da infindável cordilheira dos Andes, e nós aqui, entre as profundezas da terra e o infinito dos céus.
Nisto, saído da negritude do desfiladeiro voando montanha acima surge-nos à nossa frente, imponente, majestoso, imperial, o condor dos Andes.
A envergadura dos seus três metros de asa a asa, diz-nos de algum modo, quem é o monarca daquelas paragens. Quem é o imperador do desfiladeiro. Quem é o Deus das alturas. Quem na verdade é o indígena e quem é o intruso.
Aqui, neste preciso lugar, na Cruz do Condor, seu habitat por natureza, vive a maior ave necrófila do planeta. Alimentando-se de carcaças de animais mortos, paira lá no alto dos céus aproveitando o calor das correntes de ar, para que assim, mais planando que voando, possa patrulhar toda a sua área de jurisdição.
De súbito dou comigo a pensar na velha música El Condor Pasa, Património Cultural do Peru desde 1993. Este é o nome duma peça de teatro musicado de Daniel Robles e Julio de La Paz estreada em 1913. Foi ainda incluído no Disco de Ouro enviado para o espaço pela nave Voyager em 1977 com importante informação sobre o nosso planeta.
Estão identificadas mais de 4000 versões musicais e 300 letras adaptadas a esta música, sendo que a mais conhecida pertence à dupla Paul Simon e Art Garfunkel que a terão levado aos quatro cantos do mundo. Gosto de pensar que estes terão pisado os mesmos recantos que eu, antes de recriarem esse monumento musical que tem na grande ave dos Andes a sua inspiração.
Valeu a pena ter palmilhado tantos quilómetros só para aqui estar. É recompensador sabermos que a qualquer momento podemos ser premiados com o avistamento destes gigantes, coisa que apenas nestas paragens pode acontecer.
Valeu a pena!



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 21/02/2019
Presidente da Almina:
"Vamos investir 25 milhões em 2019"
O presidente da administração da Almina faz um balanço positivo do ano de 2018, ainda que a empresa não tenha conseguido alcançar os resultados previstos.
07h00 - quinta, 21/02/2019
EMAS Beja
melhora gestão de
águas residuais
Colocar a cidade de Beja "como uma referência" ao nível do tratamento de águas residuais urbanas é o grande objectivo da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja, que vai implementar em 2019 um plano operacional estratégico para alcançar "uma melhoria significativa" na gestão das redes de águas residuais do concelho.
07h00 - quinta, 21/02/2019
PS de Beja elogia
passagem do Museu
Regional para a DRCA
A Concelhia de Beja do PS elogia a transferência do Museu Regional para a tutela da Direcção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA), considerando que esta "potenciará Beja e o seu património junto de um público muito mais alargado".
07h00 - quinta, 21/02/2019
Dois linces-ibéricos
libertados no
concelho de Mértola
A Herdade da Bombeira, no concelho de Mértola, recebe nesta quinta-feira, 21, a libertação de mais dois linces-Ibéricos, um macho e uma fêmea com 11 meses de idade, oriundos do Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro de Silves e do Centro La Granilla, em Espanha.
07h00 - quarta, 20/02/2019
Orquestra Clássica
nasce em Almodôvar
A manhã do passado sábado, 2 de Fevereiro, marcou o arranque do novo (e ambicioso) projecto da Almovimento-Associação Desportiva, Recreativa e Cultural de Almodôvar: a Orquestra Clássica.

Data: 08/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial