17h20 - quinta, 14/09/2017

Nasce selvagem


Napoleão Mira
Quando alguém nasce, nasce selvagem, assim começa uma das canções da minha vida da autoria dos Delfins.
Resgato-a para começar esta crónica e para lhe acrescentar uns quantos pós.
Quando há 43 anos, um punhado de gloriosos soldados nos devolveram a liberdade, esta trazia consigo um importante adereço. Chamava-se...voto. E com ele a capacidade de alterarmos o nosso futuro colectivo.
Esse voto, caso fosse o nosso desejo, seria utilizado quando e em quem nós entendêssemos em consciência. Até aqui tudo bem. O problema é quando algumas, para não dizer todas as forças políticas, no-lo reclamam como se fora sua propriedade.
Tu pertences a ti, não és de ninguém, é o que diz a letra da canção mais adiante.
Existem forças políticas – especialmente uma do nosso espectro – que incute nos que a deixam de a apoiar uma certa segregação, uma determinada ostracização, procurando silenciá-los, denegrindo-os ou mesmo apelidando-os depreciativamente de vira-casacas.
Na minha óptica, pior que virar a casaca é manter a casaca quando esta já não lhe serve.
O Homem é por si um ser em evolução e com o avançar do tempo, do pensamento ou do vislumbre de outros horizontes, é natural que mude de opinião. Diria mais.
A coerência reside em se ser verdadeiro para consigo. Que as suas ideias reflictam a actualidade do seu pensamento e que o seu voto seja utilizado em concordância com o seu modo de pensar.
Outra coisa que me preocupa é o totalitarismo. Não gosto de totalitarismos sejam eles quais forem. O que sei é que desaguam quase sempre em bullying político sobre outras forças a concurso, nomeadamente aquando da formação das respectivas listas.
Dou como exemplo Castro Verde, onde a maior força opositora, o Partido Socialista, estranhamente, não conseguiu convencer um único trabalhador da autarquia a participar nas suas listas, revelando assim uma postura que me surpreende e me deixa a matutar na saúde democrática deste concelho.
Para mim, isto é o reflexo desse totalitarismo alicerçado em mais de quarenta anos de domínio absoluto. Desse bullying de pancadinha nas costas, onde esta, será mais das vezes de aviso que de conforto.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 18/01/2019
Odemira debate alojamento local
O alojamento local vai estar em debate nesta sexta-feira, 18, a partir das 14h30, no auditório da Biblioteca Municipal de Odemira, numa sessão promovida pela autarquia local.
07h00 - sexta, 18/01/2019
CCDR Alentejo debate futuro da região
A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR do Alentejo) organiza nesta sexta-feira, 18, em Évora, o debate "Roteiro 2019: Desafiar o Futuro", que contará com a presença do secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão.
07h00 - sexta, 18/01/2019
Feira do Campo 2019
realiza-se em Junho
A edição de 2019 da Feira do Campo Alentejano, em Aljustrel, vai decorrer entre os dias 7 e 9 de Junho no Parque de Feiras e Exposições da "vila mineira", anunciou a Câmara Municipal local, que organiza o evento.
07h00 - sexta, 18/01/2019
Educação para a Saúde
promovida em Beja
A Biblioteca Municipal José Saramago, em Beja, recebe nesta sexta-feira, 18, pelas 18h00, a cerimónia de compromisso dos 28 mediadores de saúde juvenil que integram o projecto "Educação para a Saúde Pelos Pares dos Jovens do Baixo Alentejo" (EPPA).
07h00 - quinta, 17/01/2019
JF São Luís dinamiza
projecto ambiental
Na freguesia de São Luís, no concelho de Odemira, "escalabardo" é o nome dado pelos seus habitantes ao saca-rabos, mas também a designação oficial de um projecto ambiental, social e comunitário que a Junta de Freguesia local tem vindo a dinamizar.

Data: 11/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial