11h47 - quinta, 06/07/2017

Incongruências


Napoleão Mira
Quanto mais conhecemos os direitos dos animais, menos vontade temos de os comer.
Hoje venho falar-vos de algumas incongruências do ser humano que registei na última semana.
A primeira prende-se com a frase com que dou início a esta crónica e que me foi referida por uma amiga que desde há meses trabalha numa clinica veterinária.
Dizia-me ela que, quase de repente, adquiriu uma consciência, uma mutação, uma nova maneira de olhar o mundo desde que lida de perto com a dor dos animais.
Ela, que sempre fora uma pessoa preocupada com o bem-estar animal (sempre possuíra cães e gatos), estava agora com um certo peso na consciência por no passado ter matado com as suas próprias mãos animais que hoje procura salvar, nomeadamente coelhos.
Dava-me como exemplo o felpudo animal, por ser também um animal de estimação - especialmente para estrangeiros - e, ao mesmo tempo, um item da nossa cadeia alimentar à venda no talho onde adquire outras carnes depois de sair do trabalho.
Outro exemplo dessas incongruências foi-me relatado na semana passada aquando do meu regresso a Entradas. Falava-se de um vizinho meu cuja cadela tinha parido sete canitos.
Até aqui nada de anormal. O motivo de censura (para o grupo de mulheres com quem falava) era ele não os ter afogado à nascença.
Estas mulheres, gente boa, honrada e de bons princípios, cresceu com esta "normalidade" que é matar os filhos de outros à nascença e depois regressar à cozinha para terminar o estrugido.
O poeta José Gomes Ferreira, referindo-se à caça em certo poema, afirmava não compreender como é que um homem pode chegar a casa, beijar mulher e filhos e fazê-lo com cadáveres presos à cintura.
Por falar em caça, deixo aqui a última incongruência. Passeava eu os meus cães perto de casa quando avistei um vizinho com um balde na mão.
O homem entabulou conversa comigo e, muito entusiasmado, dizia-me ter descoberto um bando de pombos de mais de 500 indivíduos. Que o trigo no balde era para os habituar a regressar ali todos os dias para no dia 20 de Agosto darem lugar à chacina.
E com os olhos resplandecentes de orgulho relatou-me que, no ano transacto, ele e os amigos tinham abatido de uma só vez 180 deles.
E já de abalada confessou: - Eu até nem gosto de pombo, é mais pelo vício de matar!



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 20/11/2017
Autarca de Beja eleito para a direcção da AMPV
O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, foi eleito no final da passada semana vogal do conselho directivo da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), estrutura que conta com cerca de 80 municípios associados.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Trabalhos de crianças
para ver em Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 20 de Novembro, a exposição "Manta de Retalhos e Desenhos", que junta trabalhos de diversas crianças do concelho.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Água: AgdA e cinco autarquias
premiadas com Selo de Qualidade
A empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e cinco câmaras municipais do distrito de Beja foram galardoadas na XII Expo-Conferência da Água com o Selo de Qualidade exemplar de água para consumo humano.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Semana gastronómica
do medronho em Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho e pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.
17h38 - domingo, 19/11/2017
Almodôvar e Mineiro
na frente do "Distritalão"
A formação do Almodôvar juntou-se ao Mineiro Aljustrelense na liderança do campeonato distrital da 1ª divisão, cumprida que está a 9ª jornada, realizada na tarde deste domingo, 19 de Novembro.

Data: 10/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial