11h41 - quinta, 03/11/2016

Língua


Vítor Encarnação
Estes tempos modernos, em que a comunicação se faz de uma forma demasiado rápida e impulsiva, não permitem a utilização da língua materna com a profundidade e a qualidade desejada.
Os jovens, e também muitos menos jovens, não só abreviam as palavras mas também limitam drasticamente o sentido que essas mesmas palavras podem ter numa conversa, num debate, numa opinião, logo na postura perante a vida. Para muitas pessoas a forma como usam a língua materna é cada vez mais uma impossibilidade de abstração na formação do pensamento. A rapidez dos dedos sobre o écran táctil exige que a mensagem seja simples de forma a não obrigar o cérebro a analisar ideias e informações que ultrapassem conceitos básicos. Ou seja, o que se envia ou se diz deixa de ser efectivamente mensagem, o conjunto das informações transmitidas, para passar a ser meros símbolos que só os seus utilizadores sabem descodificar, limitando assim as suas capacidades de comunicação com os outros emissores e receptores que estejam fora desse circuito.
Na tentativa de acompanhar as rápidas mudanças da vida, julgo que a escola enquanto organização e sistema cedeu demasiado no ensino da língua portuguesa. Promoveu e valorizou a mera intenção de comunicação e desvalorizou o erro. Não só o erro isolado de uma palavra, mas também da construção da frase. Ao deixar de se exigir que se transmita um significado completo e compreensível, as palavras deixam também de estar relacionadas entre si. E esta débil forma vem, por norma, acompanhada de um insuficiente conteúdo.
Na era do digital não se escreve melhor. É óbvio que nenhuma geração pode ter a veleidade de achar que o seu tempo é o melhor, mas ainda assim não corro risco nenhum ao dizer que na era do digital a escrita empobreceu, apenas diz o básico e muitas vezes di-lo mal. Apesar das línguas não serem, nem deverem ser imutáveis, elas têm de ter um conjunto de regras que façam sentido e sejam seguidas e partilhadas pelos seus falantes. Só essa coesão permite o domínio pleno, ou pelo menos suficiente da língua. Por que é que a era digital tem de subverter a essência da língua? Para sermos mais rápidos, mais modernos? Não poderei eu mandar uma mensagem com as palavras todas no sítio? Mas o problema fundamental não é a escrita "digital" em si, no seu contexto próprio, o problema fundamental é a transposição desse tipo de escrita para a escola, para as relações profissionais e institucionais. Nada é pior para a identidade, a liberdade e a cultura, do que um discurso encurtado, do que uma opinião abreviada.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 28/06/2017
ACOS apoia agricultores afectados
pelo incêndio de Pedrógão Grande
A ACOS–Agricultores do Sul iniciou esta terça-feira, 27, junto dos seus associados, uma campanha solidária com os agricultores da região Centro, cujas explorações foram devastadas pelos incêndios de Pedrógão Grande e Góis.
07h00 - quarta, 28/06/2017
Cadáver encontrado
junto ao cais de Mértola
O cadáver de um homem com cerca de 40 anos foi encontrado esta terça-feira, 27 de Junho, por populares na margem do rio Guadiana, junto ao cais da vila de Mértola.
07h00 - quarta, 28/06/2017
Paulo Conde candidato
da CDU em Ferreira
O funcionário público Paulo Conde, de 47 anos, vai ser o candidato da CDU à presidência da Câmara de Ferreira do Alentejo nas eleições Autárquicas agendadas para 1 de Outubro.
07h00 - terça, 27/06/2017
Três títulos de ciclismo
para a equipa da Casa
do Benfica de Almodôvar
A equipa de ciclismo Master da Casa do Benfica em Almodôvar garantiu no passado fim-de-semana, 24 e 25 de Junho, três títulos de campeão nacional e viu ainda dois atletas sagrarem-se vice-campeões nacionais.
07h00 - terça, 27/06/2017
Recuperação ambiental
na Mina de S. Domingos
Já estão a decorrer os trabalhos da primeira fase do projecto de recuperação ambiental da Mina de São Domingos, no concelho de Mértola, investimento avaliado em de 3,8 milhões de euros que deverá estar concluído em Agosto do próximo ano.

Data: 23/06/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial