09h46 - quinta, 20/10/2016

Os tempos estão a mudar


Napoleão Mira
Quando saiu a notícia que Bob Dylan fora galardoado com o Nobel da literatura rejubilei de alegria. O que não esperava e me deixou incrédulo, foram os comentários depreciativos de alguns escritores de renome da nossa praça.
Por exemplo: a escritora Alice Vieira escreveu no seu Facebook: - "Digam-me que é aldrabice. Digam-me que estão a gozar comigo. Digam-me que o Bob Dylan não ganhou o Nobel da Literatura", adiantou ainda no mesmo espaço "Se fosse aos galardoados anteriores, devolvia o prémio. Juro". E para compor o ramalhete do destrambelho de que foi possuída, ironizou: "Estou a preparar a candidatura do Quim Barreiros para o próximo ano".
Caramba! Mesmo que ironicamente comparar o nosso bem disposto Quim Barreiros com um dos grandes mestres da palavra, é o mesmo que comparar o cú com a Feira de Castro, curiosamente, o local onde matuto nesta crónica enquanto naufrago rua abaixo neste mar de gente que desagua no largo onde esta peregrinação se repete ano após ano há quase quatrocentos deles.
Lá atrás, sopradas pelo vento (para fazer jus ao Dylan em que penso), ainda ecoam as vozes dos homens e mulheres desta terra que perfumam de alentejanidade o ambiente festivo que por aqui se vive.
De regresso ao agraciado dou comigo a pensar na justeza do prémio atribuído. O homem tem trinta e sete discos editados em cinquenta e cinco anos de carreira. É considerado um dos grandes poetas contemporâneos sendo a sua obra estudada em várias universidades do seu país. Influenciou múltiplas gerações de músicos e de melómanos. Combateu com a sua poesia e a sua música a política norte-americana nomeadamente a intervenção militar no Vietname. Bob Dylan é ainda para além de músico, compositor, pintor, escritor, poeta e pontualmente ator, tendo dedicado toda a sua vida à criação artística e, nas palavras de alguns nomes sonantes da nossa praça, não é merecedor do galardão em causa?
Mergulhando neste tsunami humano onde me perco, vislumbro por entre a maralha um homem de costas de guitarra ao peito e chapéu negro na cabeça. Parece-me ser o homenageado desta crónica. Na minha assumida senilidade parece-me tocar os primeiros acordes da música The Times They Are A Changin. Aproximo-me para me certificar do que os meus ouvidos parecem escutar.
Não é o Dylan mas sim o João Pestana, um outro trovador que há muito anima os dias da feira com a sua voz límpida e melodiosa.
Retornado à realidade de onde por momentos me alheara, dou comigo a rir-me de mim mesmo e penso que, lá para os lados da Suécia os tempos estão mesmo a mudar. Eu, daqui, da minha insignificante pequenez saúdo-lhes a coragem e a clarividência.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 21/02/2018
Museu de Mértola
com mais visitantes
O Museu Municipal de Mértola registou em 2017 um total de 46426 entradas, mais 8071 entradas que no ano anterior, alcançando desse modo o maior número de visitantes de sempre na sua história.
07h00 - quarta, 21/02/2018
Deputado do PS elogia
doutoramentos em politécnicos
O deputado do PS eleito por Beja, Pedro do Carmo elogia a recente decisão do Governo de possibilitar a realização de cursos de doutoramento em institutos politécnicos, como é o caso do de Beja.
07h00 - quarta, 21/02/2018
Novo acesso ao Centro
Escolar 2 de Castro
Já está concluída a construção do novo acesso pedonal ao Centro Escolar 2 de Castro Verde, obra promovida pela Câmara Municipal local e concretizada pela empresa JASFEC.
09h45 - terça, 20/02/2018
Água: Investimento de 7,4 milhões no concelho de Beja
Estão a decorrer no concelho de Beja duas obras para melhorar o abastecimento público de água, num investimento total avaliado em 7,4 milhões de euros.
07h00 - terça, 20/02/2018
Governo aprova novas
medidas contra seca
O Ministério da Agricultura decidiu não penalizar, no âmbito das candidaturas ao Pedido Único 2018, os agricultores que na campanha de 2018 não tenham cumprido integralmente as regras de condicionalidade relativas à norma da cobertura da parcela durante o período Outono-Invernal devidi à seca.

Data: 09/02/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial