10h47 - quinta, 06/10/2016

Desencantos


Vítor Encarnação
Os desencantos provocam silêncios nas pessoas. Silêncios e ausências. É certo que o mal também pode estar nelas próprias, nos seus ensimesmamentos, nas suas melancolias, nas suas dúvidas. É verdade que pode. É verdade que o cansaço pode vir de dentro, pode ser fruto de uma incapacidade em lidar com uma realidade normalmente mais forte do que o indivíduo, pode advir de uma incapacidade inata em enfrentar situações de vida em comunidade, pode resultar da inépcia em se mover nos enredos dos interesses. Tudo isto é possível, os manuais de psicologia estão cheios destas coisas. Na vida, vasculhados os exemplos, quem fica sozinho raramente tem razão.
A verdade é que os desencantos fecham as pessoas, roubam-lhe as palavras mais corajosas, tiram-lhes o ânimo e a motivação, arrumam-nas a um canto. Os desencantos calam-nas, quanto muito dão-lhes uma folha de papel como esta e um amigo ou dois para desabafar.
Não é fácil o desencanto. Em si mesmo ele não é uma escolha, quanto muito a forma de lidar com ele o será. O desencanto é uma espécie de morte um pouco menos definitiva, por onde tem a pessoa andado que nunca mais se viu, está zangado com a gente, quem é que lhe fez mal, tem a mania que é esperto, julga-se mais importante.
Mas, defendendo pelo menos a possibilidade teórica de um solitário ter razão, não acha o leitor que por vezes a realidade comunitária, política, associativa, cultural, educativa está tão cheia de falhas, imperfeições e vícios, que, após a necessária participação cívica e após o óbvio período de crítica construtiva, não nos resta mais do que abanar a cabeça e metermo-nos em casa? Não acha o leitor que por vezes, lida a realidade que nos circunda, avaliadas as pessoas que querem definir o nosso futuro e a confiança e a credibilidade que delas emanam, até um homem de diálogos, pontes e consensos, se pode tornar um solitário?
Quantos vemos nós que já não são o que eram? Quantos vemos nós que dizem que já não serão o que foram? Quantos vemos nós que infelizmente ainda são o que sempre foram? Quantos se acham ser o que os outros não acham que eles são? Quantos se acham o máximo quando deles se acha o mínimo? Quantos são os que deviam achar mas não acham nada e são outros que acham por eles? Quantos dependem do que os outros acham deles? Quantos não acham nada até que outros lhes digam o que devem eles achar?
Perante o cinismo, a altivez, a incompetência e a hipocrisia, é preciso dizer que antes a solidão que tal sorte.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 28/06/2017
ACOS apoia agricultores afectados
pelo incêndio de Pedrógão Grande
A ACOS–Agricultores do Sul iniciou esta terça-feira, 27, junto dos seus associados, uma campanha solidária com os agricultores da região Centro, cujas explorações foram devastadas pelos incêndios de Pedrógão Grande e Góis.
07h00 - quarta, 28/06/2017
Cadáver encontrado
junto ao cais de Mértola
O cadáver de um homem com cerca de 40 anos foi encontrado esta terça-feira, 27 de Junho, por populares na margem do rio Guadiana, junto ao cais da vila de Mértola.
07h00 - quarta, 28/06/2017
Paulo Conde candidato
da CDU em Ferreira
O funcionário público Paulo Conde, de 47 anos, vai ser o candidato da CDU à presidência da Câmara de Ferreira do Alentejo nas eleições Autárquicas agendadas para 1 de Outubro.
07h00 - terça, 27/06/2017
Três títulos de ciclismo
para a equipa da Casa
do Benfica de Almodôvar
A equipa de ciclismo Master da Casa do Benfica em Almodôvar garantiu no passado fim-de-semana, 24 e 25 de Junho, três títulos de campeão nacional e viu ainda dois atletas sagrarem-se vice-campeões nacionais.
07h00 - terça, 27/06/2017
Recuperação ambiental
na Mina de S. Domingos
Já estão a decorrer os trabalhos da primeira fase do projecto de recuperação ambiental da Mina de São Domingos, no concelho de Mértola, investimento avaliado em de 3,8 milhões de euros que deverá estar concluído em Agosto do próximo ano.

Data: 23/06/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial