11h19 - quinta, 21/07/2016

Nada é definitivo


Vítor Encarnação
Para quem está vivo nada é definitivo. Às vezes parece que sim, às vezes a acalmia permite olhar para a vida e percebê-la e desfrutá-la sem perguntas, sem dúvidas, sem queixumes. Às vezes as coisas estão no seu lugar, no sítio que nós queremos, tudo se completa e encaixa, tudo é simples e cómodo. De dia vive-se na plenitude e de noite dorme-se descansado. E harmonioso e aveludado o tempo vai passando por nós.
Mas para quem está vivo nada é decisivo. E nada é irrefutável porque nós não controlamos nada, nós não temos capacidade para nos opormos à complexidade da vida, para fazermos frente às milésimas equações que a existência nos coloca. Bem que o queremos, bem que achamos que basta sermos donos de uma verdade e de uma perspectiva, mas não, tudo o que nos rodeia é movido por acasos, por outras verdades, por outras perspectivas, por outras gerações, por outros modos de vida.
E nós que nos julgamos deuses de uma certa forma de criar o mundo, principalmente a família e o futuro, caímos do pedestal sempre que a nossa realidade se parte. E sentimos raiva e dor e desilusão, maldizemos o destino e amaldiçoamos a nossa pouca sorte. E perante a evidência, perante o abismo, caímos de joelhos e, quem acredita deita as mãos aos céus, dizemos que outra vez não. Que já chega, que não merecíamos tanta perda.
E é dentro desse fado fundo que choramos. E choramos muitos sóis e muitas luas até não termos mais nada para chorar. E como para quem está vivo nada é definitivo, nem sequer a desgraça absoluta, aos poucos, tocando em mãos, dando mãos, tocando em braços, dando abraços, vamos ressurgindo, vamo-nos reerguendo.
Sabemos que não temos nada, que partimos novamente do nada, do zero, do vazio das almas, da ausência de horizonte, do desespero de abrir os olhos e não ver nada, sabemos que vai ser duro fazer o caminho todo outro vez, sabemos que a desconfiança e o cansaço surgirão, sabemos que vamos ter de subir novamente uma montanha com pedras às costas. E por isso, por muito que nos possa custar, voltamos ao sempre princípio para resgatar aqueles que amamos. Nenhum há-de ficar para trás.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
09h00 - segunda, 11/12/2017
Bruno Lima campeão
nacional de jiujitsu
O jovem Bruno Lima, atleta da Associação de Jiujitsu Brasileiro de Castro Verde, sagrou-se neste sábado, 9 de Dezembro, campeão nacional da modalidade na categoria Infanto-Juvenil/ Faixa Verde.
07h00 - segunda, 11/12/2017
Exposição em Aljustrel
lembra revista "Presença"
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 11, a exposição "O que foi a presença: uma leitura a 90 anos de distância", criada pelo Centro de Estudos Regianos e dedicada à revista "Presença".
00h00 - segunda, 11/12/2017
Câmara de Castro Verde prepara orçamento de 2018
O Orçamento e Grandes Opções do Plano (GOP) para o próximo ano de 2018 da Câmara Municipal de Castro Verde, o primeiro elaborado pelo novo executivo liderado pelo socialista António José Brito, vai ser apresentado, discutido e votado em sede de Câmara e Assembleia Municipal até ao Natal.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Centro de Paralisia de
Beja lança calendário
O Centro de Paralisia Cerebral de Beja (CPCB) apresenta nesta segunda-feira, 11 de Dezembro, o seu calendário solidário "Abraça o meu Sonho", que visa a angariação de fundos para a instituição.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Ferreira do Alentejo
diminui taxa de IMI
A Câmara de Ferreira do Alentejo aprovou a diminuição do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) dos prédios urbanos no concelho, que em 2018 passará para a taxa de 0,375%.

Data: 07/12/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial