11h19 - quinta, 21/07/2016

Nada é definitivo


Vítor Encarnação
Para quem está vivo nada é definitivo. Às vezes parece que sim, às vezes a acalmia permite olhar para a vida e percebê-la e desfrutá-la sem perguntas, sem dúvidas, sem queixumes. Às vezes as coisas estão no seu lugar, no sítio que nós queremos, tudo se completa e encaixa, tudo é simples e cómodo. De dia vive-se na plenitude e de noite dorme-se descansado. E harmonioso e aveludado o tempo vai passando por nós.
Mas para quem está vivo nada é decisivo. E nada é irrefutável porque nós não controlamos nada, nós não temos capacidade para nos opormos à complexidade da vida, para fazermos frente às milésimas equações que a existência nos coloca. Bem que o queremos, bem que achamos que basta sermos donos de uma verdade e de uma perspectiva, mas não, tudo o que nos rodeia é movido por acasos, por outras verdades, por outras perspectivas, por outras gerações, por outros modos de vida.
E nós que nos julgamos deuses de uma certa forma de criar o mundo, principalmente a família e o futuro, caímos do pedestal sempre que a nossa realidade se parte. E sentimos raiva e dor e desilusão, maldizemos o destino e amaldiçoamos a nossa pouca sorte. E perante a evidência, perante o abismo, caímos de joelhos e, quem acredita deita as mãos aos céus, dizemos que outra vez não. Que já chega, que não merecíamos tanta perda.
E é dentro desse fado fundo que choramos. E choramos muitos sóis e muitas luas até não termos mais nada para chorar. E como para quem está vivo nada é definitivo, nem sequer a desgraça absoluta, aos poucos, tocando em mãos, dando mãos, tocando em braços, dando abraços, vamos ressurgindo, vamo-nos reerguendo.
Sabemos que não temos nada, que partimos novamente do nada, do zero, do vazio das almas, da ausência de horizonte, do desespero de abrir os olhos e não ver nada, sabemos que vai ser duro fazer o caminho todo outro vez, sabemos que a desconfiança e o cansaço surgirão, sabemos que vamos ter de subir novamente uma montanha com pedras às costas. E por isso, por muito que nos possa custar, voltamos ao sempre princípio para resgatar aqueles que amamos. Nenhum há-de ficar para trás.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - domingo, 24/06/2018
Festival B chega
ao fim em Beja
Termina neste domingo, 24 de Junho, em Beja, a primeira edição do Festival B, uma iniciativa da Câmara de Beja que concilia o cante alentejano com o fado e os petiscos tradicionais.
00h00 - domingo, 24/06/2018
Exposição de pintura
na Biblioteca de Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel tem patente até ao próximo dia 14 de Julho a exposição de pintura em acrílico "Alegrar a vida", da autoria de Isabel Lobinho.
00h00 - domingo, 24/06/2018
PCP defende mais
investimento na ferrovia
A Direcção da Organização Regional de Beja (DORBE) do PCP veio a público exigir investimentos na rede ferroviária da região e uma política de mobilidade que "assegure desenvolvimento" do distrito.
00h00 - sábado, 23/06/2018
Fado, morna e cante
na cidade de Beja
O fado, a morna cabo-verdiana e o cante alentejano vão ser a "banda sonora" de Beja neste sábado, 23, segundo dia da primeira edição do Festival B, promovido pela autarquia local.
00h00 - sábado, 23/06/2018
Festival aquático nas
piscinas de Aljustrel
Com o Verão a começar, as piscinas municipais recebem neste sábado, 23 de Junho, um festival aquático com muita música, jogos aquáticos e actividades infantis.

Data: 15/06/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial