11h19 - quinta, 21/07/2016

Nada é definitivo


Vítor Encarnação
Para quem está vivo nada é definitivo. Às vezes parece que sim, às vezes a acalmia permite olhar para a vida e percebê-la e desfrutá-la sem perguntas, sem dúvidas, sem queixumes. Às vezes as coisas estão no seu lugar, no sítio que nós queremos, tudo se completa e encaixa, tudo é simples e cómodo. De dia vive-se na plenitude e de noite dorme-se descansado. E harmonioso e aveludado o tempo vai passando por nós.
Mas para quem está vivo nada é decisivo. E nada é irrefutável porque nós não controlamos nada, nós não temos capacidade para nos opormos à complexidade da vida, para fazermos frente às milésimas equações que a existência nos coloca. Bem que o queremos, bem que achamos que basta sermos donos de uma verdade e de uma perspectiva, mas não, tudo o que nos rodeia é movido por acasos, por outras verdades, por outras perspectivas, por outras gerações, por outros modos de vida.
E nós que nos julgamos deuses de uma certa forma de criar o mundo, principalmente a família e o futuro, caímos do pedestal sempre que a nossa realidade se parte. E sentimos raiva e dor e desilusão, maldizemos o destino e amaldiçoamos a nossa pouca sorte. E perante a evidência, perante o abismo, caímos de joelhos e, quem acredita deita as mãos aos céus, dizemos que outra vez não. Que já chega, que não merecíamos tanta perda.
E é dentro desse fado fundo que choramos. E choramos muitos sóis e muitas luas até não termos mais nada para chorar. E como para quem está vivo nada é definitivo, nem sequer a desgraça absoluta, aos poucos, tocando em mãos, dando mãos, tocando em braços, dando abraços, vamos ressurgindo, vamo-nos reerguendo.
Sabemos que não temos nada, que partimos novamente do nada, do zero, do vazio das almas, da ausência de horizonte, do desespero de abrir os olhos e não ver nada, sabemos que vai ser duro fazer o caminho todo outro vez, sabemos que a desconfiança e o cansaço surgirão, sabemos que vamos ter de subir novamente uma montanha com pedras às costas. E por isso, por muito que nos possa custar, voltamos ao sempre princípio para resgatar aqueles que amamos. Nenhum há-de ficar para trás.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 20/04/2018
"Fixação de pessoas é o maior desafio de Almodôvar"
O presidente da Câmara de Almodôvar, falou ao "CA" sobre os desafios que se colocam ao concelho, assim como sobre as inúmeras obras que a autarquia tem em desenvolvimento ou pretende concretizar.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila Galé investe
no concelho de Beja
Tal como o "CA" revelou em Dezembro de 2017, o Grupo Vila Galé prepara-se para refortçar o seu investimento no concelho de Beja, onde já tem o Clube de Campo, perto de Albernoa.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena de artes
em Castro Verde
Da música acústica ao rock mais "eléctrico", do cante alentejano às palavras de Abril, dos livros aos produtos da terra, do teatro para bebés aos espectáculos de revista, são muitos os pontos de interesse de mais uma edição da "Primavera no Campo Branco", quinzena cultural que a Câmara de Castro Verde promove entre esta sexta-feira, 20 de Abril, e o dia da Mãe, a 6 de Maio.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena cultural reduziu orçamento
Depois de nos últimos quatros anos ter tido uma duração mais prolongada no tempo, a "Primavera no Campo Branco" regressa em 2018 ao formato de quinzena.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila de Almodôvar
"volta" à Idade Média
Almodôvar "viaja" neste fim-de-semana até 1285, ano em que Dom Dinis concedeu a Carta de Foral à localidade, com o centro histórico da vila a receber bailes e folias, bobos e jograis, damas e cavaleiros, numa organização da Câmara Municipal local.

Data: 20/04/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial